metropoles.com

Brasileiros entregam ao papa carta contra violência a políticos negros

Integrantes do movimento Educafro denunciaram ao líder católico perseguição e morte de 100 políticos brasileiros afro-descendentes

atualizado

Compartilhar notícia

AlesAlessandra Benedetti – Corbis/Corbis via Getty Images
O Papa Francisco lidera a Via Sacra, Via Crucis no Coliseu de Roma, em 15 de abril de 2022 em Roma, Itália
1 de 1 O Papa Francisco lidera a Via Sacra, Via Crucis no Coliseu de Roma, em 15 de abril de 2022 em Roma, Itália - Foto: AlesAlessandra Benedetti – Corbis/Corbis via Getty Images

Dois integrantes do movimento Educafro conseguiram entregar ao papa Francisco, ontem, uma carta-denúncia sobre a questão do racismo estrutural no Brasil, com relatos da violência a políticos negros e também a ausência de afro-descendentes nas escolas ligadas à Igreja Católica no país.

Na carta, foi denunciado ao papa que, de 2018 a 2022, quase cem parlamentares afro-brasileiros foram perseguidos ou assassinados por motivações políticas. E cita como uma “perseguição gritante” a cassação do mandato do vereador Renato Freitas, de Curitiba (PR).

“Foi cassado por escolher o espaço de uma Igreja Católica de Curitiba, construída por escravos e para servir como espaço de apoio à luta por justiça da população afro-brasileira e, daquele espaço sagrado, denunciar a alta percentagem de assassinatos de jovens negros na sociedade brasileira, inclusive de torturas até a morte”, diz a carta.

O assassinato da vereadora Marielle Franco também foi citado como uma “ferida ainda aberta na sociedade brasileira”.

“Estranhamente prenderam o assassino e, até hoje, a polícia ‘diz não saber dizer’ quem mandou matar a vereadora Marielle Franco. Se o assassino fosse uma pessoa negra, já a teriam torturado até revelar o nome do político que mandou matá-la. Ou a polícia está comprometida ate o pescoço com o mandante do crime?”

A presença da comitiva brasileira em Roma, onde se encontrou com o papa, foi revelada ontem pelo repórter Eduardo Barretto, da coluna Guilherme Amado.

Na carta, o movimento diz que hoje, em setembro de 2022, as comunidades afros em toda América Latina, não só no Brasil,  estão entre as mais sofridas, exploradas, humilhadas e descartadas.

Os integrantes da Educafro lembram no texto que a ONU decretou o período de 2015 a 2024 como a “década do afrodescendente” e afirmam que o Brasil, país signatário, não colocou em prática nem 10% das políticas públicas ali previstas. E pedem que o líder católico ajude a solicitar a ONU para adiar por mais cinco anos esse período.

A Educafro cita uma situação de racismo estrutural na própria Igreja Católica, que envolve o acesso por negros às suas escolas.

“A Igreja tem centenas de Escolas Católicas do Ensino Fundamental, Médio e Superior. É, no seu conjunto, a maior rede de ensino privado do país. Aqui, no Brasil, a população afro-brasileira é de 56,2%. No entanto, nas Escolas Católicas, estimamos que não passamos de 5%, o que nos leva a afirmar que a Igreja é uma das principais forças reprodutora do racismo estrutural que amplia a exclusão da população afro-brasileira dos bancos escolares privados”.

O movimento pede à Sua Santidade que chame a atenção dos bispos, arcebispos e cardeais da Igreja Católica no Brasil para que as suas dioceses atuem com políticas de reparação dos afro-brasileiros e que essas escolas adotem cotas de 30% para os negros em todas salas de aula.

É pedido a Francisco que ajude a Igreja do Brasil a rever práticas centenárias que levam ao racismo estrutural e pedem e relatam que os padres negros, em sua maioria, estão alocados em paróquias deficitárias e que  dificilmente se escolhe padres negros para a função de bispos. Há críticas também de que há muitos grandes conventos vazios e que estão ao lado um enorme contingente de moradores de rua.

Também é solicitado ao papa que produza uma carta aberta aos partidos políticos do Brasil que atuem no combate à violência contra políticos afro-descendentes.

Dione Assis e Gilvan Bueno

Como foi chegar ao Papa

Um casal de economistas da Educafro – Dione Vales de Assis e Gilvan Bueno Costa (na foto acima) – conseguiram acesso ao papa numa audiência pública que recebem noivos. O casal vai com roupa de casamento, quesito necessário para entrar nesse espaço. E, no momento do encontro com o papa, na fila de cumprimentos dos casais com o religioso, eles entregaram a carta a Francisco.

“Disse a ele que éramos do Brasil e que aquela carta era a descrição da situação dos negros no Brasil. Pedi que ele orasse por nós. Estamos sem palavras e nem sabíamos que estava acontecendo (esse evento do casamento). E aproveitamos a oportunidade”, disse Dione.

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comBlog do Noblat

Você quer ficar por dentro da coluna Blog do Noblat e receber notificações em tempo real?

Notificações