Bolsonaro foi avisado do depoimento “fake” de Mendonça na sabatina

Presidente foi comunicado com antecedência que seu indicado não iria se comprometer publicamente em puxar uma oração em sessão do STF

atualizado 02/12/2021 14:50

Fotografia colorida com dois homens se abraçando. Do lado esquerdo, o ministro do STF André Mendonça. À direita, presidente Jair Bolsonaro Igo Estrela/Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro foi comunicado com antecedência da linha de atuação de André Mendonça na sabatina na CCJ do Senado, realizada ontem. Em seu depoimento “fake”, no qual apresentou posições distintas para diversos pontos de vista seus já conhecidos, Mendonça buscou se afastar do Palácio do Planalto e se aproximar de votos que ainda faltavam para ser guindado à vaga de Marco Aurélio Mello.

Bem treinado, Mendonça sabia que seria questionado sobre as condições impostas por Bolsonaro para escolhê-lo: se aprovado para o tribunal, deveria ir almoçar toda semana com o presidente e, sempre antes de uma sessão na Corte, deveria puxar uma oração.

Mendonça, por algumas vezes, disse que não poderia responder por declarações do presidente e afirmou que o Supremo é laico e que não é lugar para manifestações religiosas.

Bolsonaro não se incomodou com a estratégia do seu indicado e, depois de consumada sua aprovação no plenário, comemorou.