Descubra a dieta que pode acabar com estufamento na barriga, gases e cólica

Protocolo alimentar consiste em reduzir ou retirar carboidratos fermentáveis da alimentação

atualizado 13/01/2021 11:08

Existem alguns sintomas muito comuns observados na prática clínica nutricional. Entre eles, estão o estufamento, gases, cólicas abdominais e, até mesmo, diarreia. Por se tratar de sintomas multifatoriais, é necessária uma investigação mais cuidadosa por parte do profissional. O que muita gente não sabe é que essa combinação de fatores pode indicar uma causa comum: sensibilidade aos FOODMAPS.

FOODMAPS é uma sigla em inglês que faz menção a família de carboidratos fermentáveis. Para grande parte das pessoas, essa fermentação pode ser positiva, por se tratar de alimentos prebióticos, ou seja, substâncias que também servem para “nutrir” microorganismos benéficos ao nosso organismo.

Por outro lado, outra parte da população pode sofrer com esses efeitos, altamente prejudiciais e desvantajosos ao funcionamento intestinal, resultando em sintomas que trazem grande desconforto para quem sente.

Pessoas que sofrem de disbiose, alteração da microbiota intestinal, não digerem esses carboidratos fermentáveis da maneira idea, pois eles são fermentados por bactérias intestinais, resultando em estufamento, dores abdominais, diarreia, entre outros sintomas. A eles, a dieta Low-FOODMAPS pode ser uma excelente saída.

O protocolo de FOODMAPS consiste na retirada temporária de todos os alimentos e substâncias fermentáveis. Depois, é feita uma reinserção, aos poucos. Agindo assim, o paciente é capaz de identificar quais alimentos manifestam maior grau de sensibilidade e testa a tolerância a cada um deles. É importante ressaltar que é um processo individual, com reações diferentes.

A parte complicada é que a lista de alimentos que possuem alto índice de FOODMAPS é extensa. Alguns exemplos são maçã, caqui, leite, abacate, repolho, derivados de trigo, couve-flor, castanha de caju, cogumelos, alho, cebola, leguminosas (feijões), xilitol e milho.

Por mais que pareça complicado, a retirada dos FOODMAPS para quem tem sensibilidade pode ser a salvação e agregar (e muito!) na qualidade de vida.

(*) Thaiz Brito é nutricionista pós-graduanda em Nutrição Esportiva Clínica

Últimas notícias