metropoles.com

Zolpidem: veja perigos de ficar “chapado” com medicamento para insônia

Zolpidem é utilizado em casos de insônia e efeitos colaterais incluem alucinações. Especialista alerta sobre uso indiscriminado do remédio

atualizado

Compartilhar notícia

Myke Sena/Esp. Metrópoles
Remédios jogados em superfície azul - Metrópoles
1 de 1 Remédios jogados em superfície azul - Metrópoles - Foto: Myke Sena/Esp. Metrópoles

Nessa quinta-feira (11/8), o medicamento Zolpidem entrou para os assuntos mais comentados do Twitter depois que um usuário relatou ter tomado o fármaco, e, durante uma alucinação, gastado R$ 9 mil em um pacote de viagens.

Nos comentários, outros usuários da rede social informaram ter passado por situações parecidas envolvendo a droga, que geralmente é usada para tratar casos de insônia. De acordo com o psiquiatra Leonardo Rodrigues da Cruz, do Instituto Meraki Saúde Mental, o remédio deve ser usado somente com prescrição médica e por um curto período de tempo, já que pode causar dependência.

O especialista explica que as alucinações causadas pelo medicamento são incomuns, afetando entre 0,1% e 1% das pessoas que o ingerem. “Mas quem já faz uso de outros psicotrópicos, como antidepressivos, ou tem idade avançada, tem maior predisposição aos delírios”, afirma o psiquiatra.

O Zolpidem é um medicamento hipnótico que pertence à classe de drogas Z, os não benzodiazepínicos. Ele se liga a uma subunidade do receptor GABA, um dos neurotransmissores mais importantes no cérebro, e é indicado para tratamentos de insônia inicial ou manutenção.

Cruz acrescenta que o uso de doses acima da recomendação médica também pode acentuar os efeitos colaterais do Zolpidem, e alerta que o medicamento não deve ser usado de forma descontrolada, como algumas pessoas sugeriram no Twitter.

“O uso indiscriminado de Zolpidem pode associar-se à sonolência excessiva, dor de cabeça, sintomas gastrointestinais, sonambulismo, amnésia anetógrada (quando o indivíduo não consegue se lembrar de acontecimentos recentes), pesadelos, confusão mental, falta de coordenação motora e problemas para andar”, explica o psiquiatra.

Outro risco do uso indevido do Zolpidem é quando ele deixa de ser uma substância utilizada como medicamento e passa a ser consumida para escapar da realidade, ou associada a outras drogas, como álcool e sedativos.

“Há potencial de maior sedação, confusão mental e risco de maior ingestão de álcool, o que pode levar à perda de memória do evento, acidentes e comportamentos violentos. Pessoas com problemas de alcoolismo e que usam Zolpidem têm duas vezes mais chance de irem para a uma unidade de terapia intensiva (UTI), afirma o médico”.

0

A prescrição para o uso de Zolpidem pode ser feita por profissionais de saúde, mas o ideal é que seja receitado por médicos de transtornos do sono, como psiquiatras e neurologistas, ou especializados em medicina do sono.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações