Vegetarianas têm mais risco de sofrer fratura no quadril, diz estudo

A dieta sem proteínas de origem animal foi associada ao risco de queda da densidade mineral óssea e da massa muscular

atualizado 12/08/2022 14:01

Dor no quadril Getty Images

Mulheres que seguem uma dieta vegetariana correm 33% mais risco de fraturar o quadril durante a meia idade em comparação com as carnívoras, segundo um estudo feito na Universidade de Leeds, no Reino Unido.

A pesquisa, publicada na revista BMC Medicine, analisou dados de 26.318 voluntárias de meia-idade classificadas como carnívoras regulares, carnívoras ocasionais, pescetarianas (que comem peixe e frutos do mar, mas não consomem carne) e vegetarianas.

Ao longo dos últimos 20 anos, 822 das mulheres sofreram fraturas no quadril, o que equivale a  3% de todas as participantes. Entre as vegetarianas, o risco foi um terço maior em comparação com as carnívoras.

Os pesquisadores relacionaram a chance de ter a fratura à baixa ingestão de nutrientes essenciais para a saúde, o que pode levar à menor densidade mineral óssea e massa muscular.

“Esses nutrientes, como proteínas e cálcio, geralmente são mais abundantes em carnes e outros produtos animais do que em plantas”, escreveram os autores do estudo.

Veja as melhores dietas para comer saudável

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

De acordo com os cientistas, o Índice de Massa Corporal (IMC) médio das pessoas que não comiam carne ou peixe era ligeiramente menor do que o das que consumia proteína de origem animal regularmente. A relação entre baixo IMC e fraturas no quadril já foi apontada em estudos anteriores.

Os pesquisadores destacaram que o objetivo do estudo não é incentivar que as mulheres abandonem a dieta vegetariana, mas que elas procurem acompanhamento nutricional para reforçar a dieta com nutrientes encontrados em outras fontes.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias