metropoles.com

Vacina contra HPV é estratégia eficaz para evitar 6 tipos de câncer

A estimativa é que uma em cada duas pessoas já teve, tem ou terá contato com o vírus até o fim da vida

atualizado

Compartilhar notícia

Marcelo Camargo/Agência Brasil
vacina de hpv sendo aplicada
1 de 1 vacina de hpv sendo aplicada - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Buenos Aires, Argentina – De acordo com dados da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), no mundo, um em cada 25 casos diagnosticados de câncer está relacionado à exposição do paciente ao HPV. Segundo a entidade, quatro mulheres morrem por hora vítimas de câncer de colo de útero ou de útero e, apesar de a ciência já ter avançado na vacina, tratamento e prevenção, a quantidade de vítimas segue subindo.

“É uma enfermidade oculta, que se esconde. As pessoas acham que tem a ver com promiscuidade, que o vírus passa de acordo com a quantidade de parceiros sexuais do paciente. Mas não é necessariamente assim, basta um parceiro infectado. Por essa vergonha, muitas mulheres deixam de fazer os exames preventivos e procurar atendimento quando percebem os primeiros sintomas”, afirma a médica Andrea Schilling, especialista em ginecologia infantil e adolescente, durante palestra no 19º Seminário Latino-Americano de Jornalismo em Ciência e Saúde, que ocorre, em Buenos Aires, na Argentina.

A profissional de saúde explica ainda que nem o uso de camisinha é suficiente para prevenir a contaminação — o preservativo só oferece 60% de proteção contra o HPV, que pode ser transmitido ainda pelo toque (o vírus pode ficar ativo debaixo das unhas), beijos e sexo oral.

A melhor maneira de evitar a infecção é pela vacinação. A imunização de adolescentes antes que tenham contato com o vírus é essencial para evitar que ele se multiplique quando os pacientes forem contaminados com o HPV: estima-se que uma em cada duas pessoas já teve, tem ou terá contato com o vírus até o fim da vida.

O patógeno já foi relacionado a pelo menos seis tipos de câncer: colo de útero, vulva, vagina, peniano, anal e orofaringe.

Casos de sucesso

Quase 15 anos depois do início da aplicação da fórmula em adolescentes, países nórdicos, que foram os pioneiros no calendário vacinal do HPV, dão conta que o vírus praticamente não existe mais na região. A Austrália, que investiu em uma campanha de imunização de mulheres até 26 anos, também considera o HPV quase erradicado na ilha.

Apesar da recomendação atual ser de imunizar apenas o grupo considerado de risco (meninas entre 9 e 14 anos e meninos entre 11 e 14 anos), o presidente da Federação Internacional de Patologia Cervical e Colposcopia, Carlos Humberto Perez Moreno, defende que todas as mulheres recebam a vacina em qualquer momento da vida. “Porém, não é um plano que seja viável economicamente. Por isso, seguimos priorizando os adolescentes”, diz.

Em junho, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) lançou um posicionamento onde defende que os ginecologistas brasileiros passem a recomendar a vacina a todas as mulheres com menos de 45 anos. Em pacientes que já tiveram lesões provocadas pelo HPV, o imunizante diminui em até 80% as chances de recidiva.

“Esse posicionamento da Febrasgo com uma recomendação ativa aos ginecologistas é um marco, já que a vacinação contra o HPV é importante, independentemente de a paciente já ter tido ou não algum contato ou infecção pelo vírus, para prevenir cânceres como o de colo de útero, vulva, vagina e ânus, além de verrugas genitais, a infecção sexualmente transmissível mais comum em todo o mundo”, afirma a diretora médica da MSD, Marcia Datz Abadi.

Atinge homens e mulheres

O vírus do HPV é o principal responsável pelo câncer de colo de útero em mulheres e de orofaringe em homens. Os primeiros estágios dos tumores não apresentam sintomas, e é muito comum que só sejam descobertos em estágio avançado. Além da vacina, a estratégia da comunidade científica é apostar nos exames de rastreamento, que devem ser feitos anualmente.

*A repórter Juliana Contaifer viajou a convite da farmacêutica MSD para acompanhar o 19º Seminário Latino-Americano de Jornalismo em Ciência e Saúde, que acontece em Buenos Aires.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?