Pessoas com alergia alimentar têm menos risco de ter Covid, diz estudo

Pesquisadores analisaram dados de 4 mil pessoas e agora tentam entender por que esses indivíduos se protegem melhor da infecção

atualizado 03/06/2022 15:35

Getty Images

Apesar de serem mais vulneráveis a algumas doenças, pessoas com alergias alimentares podem ter vantagens contra o coronavírus.

Pesquisadores do National Institute of Health, nos Estados Unidos, estudaram dados de 4 mil pessoas e notaram que indivíduos com alergias alimentares tinham cerca de 50% menos chance de ter Covid-19, mesmo quando outros membros da família estavam infectados.

O estudo também descobriu que pessoas com asma não têm tendência maior a ter Covid-19 e desenvolver quadros graves, como se acreditava no início da pandemia.

Os cientistas não sabem exatamente como as alergias alimentares protegem o indivíduo do coronavírus, mas uma das teorias é que essas pessoas podem ter níveis menores da proteína ACE2, usada pelo Sars-CoV-2 para entrar nas células, nas vias respiratórias, dificultando a infecção.

“Não se sabe se é o caso de pessoas com alergias alimentares, mas é tentador especular que as inflamações tipo 2, características da condição, podem diminuir os níveis de ACE2 nas vias respiratórias e o risco de infecção”, escrevem os pesquisadores no estudo publicado na revista científica Journal of Allergy and Clinical Immunology.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
0

Outra descoberta interessante do levantamento é que, ao desenvolver a Covid-19, o grupo de pessoas com alergia alimentar não era menos propenso a desenvolver casos assintomáticos. Os pesquisadores propõem mais estudos para entender os mecanismos de proteção do corpo e abrir novos caminhos para a prevenção do coronavírus.

 

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias