metropoles.com

Pandemia aumentou casos de ansiedade e depressão em 25%, afirma OMS

Mulheres, adultos jovens e pessoas com doenças pré-existentes foram as que tiveram a saúde mental mais afetada no primeiro ano da pandemia

atualizado

Compartilhar notícia

Getty Images
Fotografia colorida de Mulher sentada na cama -Metrópoles
1 de 1 Fotografia colorida de Mulher sentada na cama -Metrópoles - Foto: Getty Images

O estresse sem precedentes causado pelo isolamento social durante a pandemia da Covid-19 foi um dos principais motivos para o aumento de 25% dos casos de ansiedade e depressão em todo o mundo no primeiro ano da pandemia, segundo mostrou um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado na quarta-feira (2/3).

As restrições mais rígidas impostas no período, impossibilitando as pessoas de trabalharem, de terem convívio social ou de contar com o apoio de familiares, também são apontadas como fatores que prejudicaram a saúde mental de pessoas de todo o mundo, bem como a solidão, o medo despertado pela doença, o luto pelas mortes de pessoas queridas e as preocupações financeiras.

Entre os profissionais de saúde, a exaustão apareceu como um gatilho relevante para pensamentos suicidas, segundo o relatório elaborado pela OMS por meio da revisão de estudos científicos.

0

“As informações que temos agora sobre o impacto do Covid-19 na saúde mental do mundo são apenas a ponta do iceberg”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em comunicado enviado à imprensa sobre o relatório.

“Este é um alerta para que todos os países prestem mais atenção à saúde mental e façam um trabalho melhor no apoio à saúde mental de suas populações”, continuou.

Vulneráveis

A revisão dos dados mostrou que as mulheres, os jovens adultos, com idade entre 20 e 24 anos, e as pessoas com condições de saúde pré-existentes – como asma, câncer e doenças cardíacas – foram as mais prejudicadas em relação à saúde mental no período.

Apesar de não parecerem mais vulneráveis à infecção do coronavírus, quando as pessoas com transtornos mentais pré-existentes são infectadas, elas se mostraram mais propensas a passar por hospitalizações, doenças graves e morte em comparação com pessoas sem transtornos mentais, de acordo com a OMS.

“Pessoas com transtornos mentais mais graves, como psicoses, e jovens com transtornos mentais, estão particularmente em risco”, afirma o comunicado.

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?