metropoles.com

Miocardite pós vacinas Pfizer e Moderna é muito rara, dizem estudos

Pesquisas mostram que efeitos colaterais de inflamação no tecido cardíaco não são frequentes

atualizado

Compartilhar notícia

Robina Weermeijer/Divulgação
coracao-a
1 de 1 coracao-a - Foto: Robina Weermeijer/Divulgação

Os casos de inflamação no músculo cardíaco após a aplicação das vacinas de RNA da Moderna e da Pfizer contra a Covid-19 acenderam um alerta na comunidade científica. Porém, dois estudos publicados na revista científica JAMA mostram que os efeitos colaterais são considerados raríssimos e acontecem menos vezes do que possíveis danos ao coração causados pelo coronavírus.

Os levantamentos relatam apenas 27 casos de pacientes com inflamação no músculo cardíaco, mas são importantes para demonstrar a possível relação de causa e efeito entre o imunizante e a miocardite.

O primeiro estudo analisou quatro casos de miocardite que sugiram entre o primeiro e o quinto dia após a segunda dose do imunizante. Três dos casos aconteceram em homens entre 23 e 36 anos, e um em uma mulher de 70 anos. Todos tiveram dor aguda no peito, e passaram por ressonâncias magnéticas para comprovar o diagnóstico.

Já o segundo levantamento, feito pelo Sistema de Saúde Militar dos Estados Unidos, descreveu o caso de 23 indivíduos que apresentaram miocardite nos primeiros quatro dias após a vacina. Todos eram homens entre 20 e 51 anos — 22 deles são oficiais da ativa. Também foram feitos exames para provar o quadro.

As pesquisas não são as primeiras a serem feitas sobre o assunto — na última semana, o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos divulgou que a associação entre a vacina e o problema de saúde é provável, mas raro. Segundo o levantamento, 1,2 mil casos foram registrados em pessoas com mais de 30 anos no país.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) também acompanha os casos no continente, e dá conta de 122 casos de miocardite após a vacina da Pfizer em 160 milhões de doses aplicadas, e 16 casos depois da vacina Moderna em 19 milhões de imunizantes administrados. O órgão também contabiliza os casos de pericardite: 126 da Pfizer e 18 da Moderna.

O Ministério da Saúde de Israel, país que aplicou apenas o imunizante da Pfizer em sua população, afirma que foram 275 casos de miocardite registrados entre 5 milhões de doses aplicadas. A maioria dos pacientes com o problema é homem e está na faixa etária entre 16 a 30 anos de idade.

Até o momento, não foi comprovada a relação de causa e efeito das vacinas e as inflamações cardíacas — há “provável relação”, mas não se sabe exatamente como a fórmula desencadearia a reação. A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que todos os casos relatados até o momento são leves, e a recuperação, rápida.

Saiba como as vacinas contra Covid-19 atuam:

0

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações