Lesões químicas, e não pneumonia, seriam a causa das mortes por vaper

Médicos da Clínica Mayo afirmam que os problemas de saúde relacionados ao cigarro eletrônico foram provocados por queimaduras pulmonares

atualizado 07/10/2019 13:15

Ethan Parsa/Pixabay

O cigarro eletrônico, também conhecido como vaper, já causou 18 mortes nos Estados Unidos e estima-se que o produto tenha deixado 800 pessoas com graves doenças pulmonares. Indícios anteriores relacionavam o e-cigarette à pneumonia lipoide, um tipo raro da doença. Uma pesquisa feita pela Clínica Mayo, contudo, sugere que as mortes estão relacionadas a queimaduras químicas causadas pelos vapores tóxicos inalados.

Durante o trabalho, os cientistas realizaram biópsias no tecido pulmonar de 17 pacientes com complicações causadas pelo cigarro eletrônico (dois deles chegaram a falecer). Cerca de 71% dos participantes admitiram ter usado óleo de maconha junto com os óleos tipicamente usados no vaper. O estudo foi publicado recentemente no New England Journal of Medicine.

Segundo os pesquisadores, o padrão pulmonar dos pacientes se assemelha ao de “vítimas de inalação de vapores tóxicos envolvidas em um grande acidente industrial com derramamento químico”. Os vapores tóxicos teriam produzido uma espécie de queimadura química nos pulmões, danificando os tecidos pulmonares e as vias aéreas.

Para os autores, as primeiras análises teriam relacionado o cigarro eletrônico à pneumonia lipoide porque foram feitas com base apenas em imagens dos pulmões. As biópsias de tecidos pulmonares, por sua vez, teriam permitido uma melhor avaliação dos problemas causados aos pacientes. Não há, entretanto, informação sobre quais seriam as substâncias capazes de provocar estas queimaduras.

Os pesquisadores acrescentam que não há muito a ser feito para tratar as lesões pulmonares além de fornecer oxigênio aos pacientes por meio de tubos respiratórios. (Com informações do Daily Mail)

Últimas notícias