Hungria e Emirados Árabes aprovam uso de vacina Sputnik V contra Covid-19

A Hungria se tornou o primeiro país da União Europeia a autorizar o uso emergencial do imunizante russo

atualizado 21/01/2021 9:30

Sputnik VSputnik V/Divulgação

O Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) anunciou na manhã desta quinta-feira (21/1) que a Hungria e os Emirados Árabes aprovaram o uso emergencial da vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya.

Com o aval do Instituto Nacional de Farmácia e Nutrição da Hungria (OGYÉI), o país se tornou o primeiro da União Europeia a permitir o uso da Sputnik V.

O registro no Ministério da Saúde e Prevenção dos Emirados Árabes Unidos (MOHAP) foi dado após a avaliação dos resultados dos ensaios clínicos de fase 3, com mais de 33 mil participantes, realizados na Rússia e dos testes locais em andamento, feitos com a supervisão do MOHAP e do Departamento de Saúde (DOH) de Abu Dhabi.

De acordo com o fundo russo, o estudo com mil voluntários de diversas nacionalidades iniciado em dezembro “abriu espaço para o registro da vacina sob autorização de uso emergencial”.

Durante uma conversa on-line com jornalistas, o CEO do RDIF, Kirill Dmitriev, destacou a importância dos governos seguirem o exemplo dos Emirados Árabes ao separar a política das questões de saúde pública e da vida das pessoas.

“Ficamos felizes que a vacina não está sendo misturada com a política. A decisão sobre ela se baseou apenas na sua segurança e eficácia. Os Emirados Árabes Unidos se tornaram um grande exemplo”, disse Kirill Dmitriev.

A fórmula desenvolvida na Rússia também tem autorização para uso na Bielo-Rússia, Sérvia, Argentina, Bolívia, Argélia, Palestina, Venezuela, Paraguai e Turcomenistão. Mais de 1,5 milhão de pessoas já foram vacinadas com a Sputnik V.

A Sputnik V é baseada em uma plataforma de vetores adenovirais humanos, que causam o resfriado comum. Os ensaios clínicos mostraram que ela tem 90% de eficácia.

0

 

 

Mais lidas
Últimas notícias