Exames com saliva são mais eficazes para detectar Ômicron, diz estudo

Pesquisadores da África do Sul avaliaram a eficácia dos testes para a Delta e Ômicron, comparando exames feitos com a saliva e mucosa nasal

atualizado 05/01/2022 16:57

Fotografia colorida de teste RT-PCR é uma metodologia que utiliza a biologia molecular para detectar o vírus na secreção respiratória, por meio de uma cotoneteGetty Images

Pesquisadores da África do Sul avaliaram a eficácia dos testes RT-PCR para as variantes Delta e Ômicron, comparando os exames feitos através do nariz e da garganta e descobriram que a nova cepa pode ser detectada com maior facilidade em amostras provenientes da faringe. Para verificar a identificação das cepas, os cientistas analisaram os cotonetes em contato com a saliva e a mucosa da concha média nasal.

Em relação à variante Ômicron, os testes de saliva tiveram uma eficiência de 100% em casos positivos. Já para os exames de mucosa do nariz, o resultado foi de 86%. Em contrapartida, para a detectar a Delta, os cientistas indicaram que a efetividade dos testes que usaram a saliva foi de 71%. Com amostras do nariz, o sucesso atingiu os 100%.

Os resultados indicam que o teste mais eficiente para descobrir se alguém foi infectado pela variante Ômicron deve usar a saliva humana como base. Nos casos da Delta, o contrário ocorre e exames através da mucosa nasal são mais recomendados.

Saiba mais sobre as variantes do coronavírus:

0

Para avaliar o desempenho dos diferentes tipos de amostra, os cientistas examinaram 382 pacientes sintomáticos que não estavam hospitalizados. Os testes para Covid-19 aconteceram entre agosto e dezembro de 2021 no Hospital Groote Schuur, na Cidade do Cabo.

As descobertas sugerem que o padrão de presença viral é diferente com a Ômicron, que possui maior eliminação do vírus através da saliva, resultando em melhor desempenho diagnóstico na garganta.

A pesquisa reuniu cientistas da Universidade da Cidade do Cabo e foi publicado em pré-print na plataforma MedRxiv, associada à Universidade de Yale, e ainda não passou por revisão da comunidade científica. O site reúne novas pesquisas médicas que ainda não foram avaliadas e não devem ser usadas para orientar a prática clínica.

Mais lidas
Últimas notícias