EUA tem mais pessoas internadas por Covid-19 do que na 1ª onda, diz Opas

Todos os países da América do Sul registraram aumento nos casos da doença provocada pelo coronavírus nas últimas semanas

atualizado 13/01/2021 15:28

Jacqueline Lisboa/ Especial Metrópoles

A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) alertou para a gravidade da pandemia da Covid-19 na região. Durante entrevista coletiva, o comando da entidade notou que, apenas na última semana, 2,5 milhões de pessoas foram infectadas nas Américas. A diretora da Opas, Carissa Etienne, destacou o fato de que, atualmente, há mais pessoas hospitalizadas por causa do vírus do que na primeira onda de casos, no ano passado.

Na América do Sul, todos os países têm registrado aumento nos casos da doença nas últimas semanas, lembrou a autoridade.

“Temos de permanecer vigilantes nas próximas semanas”, afirmou Etienne, ao lembrar dos feriados de fim de ano, que geraram aglomerações que podem resultar em salto nos casos da doença em vários países da região. “Enquanto o acesso à vacina estiver limitado, não podemos depender dela para conter os casos”, lembrou, ao recomendar que as pessoas mantenham medidas como o distanciamento físico, o uso de máscaras e a higiene das mãos.

Vice-diretor da Opas, Jarbas Barbosa, afirmou que nos próximos meses o quadro deve ser o mesmo. “Para mudar a dinâmica da contaminação, devemos imunizar 70% da população”, sustentou ele.

A Opas é parte da iniciativa Covax Facility, que busca garantir distribuição igualitária de vacinas na região. A entidade disse que as entregas dos imunizantes por meio do consórcio de países devem começar no fim de março.

Já estão garantidas a entrega de 2 bilhões de vacinas contra a doença neste ano pela Iniciativa Covax, segundo a Opas, mas a maior parte delas deve ser entregue apenas no segundo semestre. A prioridade da Covax agora é imunizar os 20% mais vulneráveis da população, profissionais de saúde e idosos, lembrou o comando da Opas.

Etienne ainda cobrou que os líderes da região mostrem “unidade” e “transparência” na sua resposta à pandemia, sem citar nomes. Também presente na coletiva, o gerente de Incidentes da entidade, Sylvain Aldighieri, disse que a Opas não é favorável à adoção de possíveis “passaportes de imunidade” para os que já receberam vacinas. Aldighieri argumentou que isso acabaria por conferir uma falsa sensação de segurança.

0

 

 

Últimas notícias