Entenda como tablets, smartphones e computadores afetam sua visão

A luz azul emitida por esses dispositivos pode causar dor de cabeça, cansaço visual e envelhecimento da retina. Já há lentes com proteção

twinsterphoto/istocktwinsterphoto/istock

atualizado 04/04/2019 14:49

São Paulo (SP) – O tempo que passamos enxergando o mundo pelas telas dos dispositivos eletrônicos também interfere na saúde dos nossos olhos. Tablets, smartphones e computadores refletem muita “luz azul”, um espectro natural, que é potencializado pelos materiais com os quais as telas dos eletrônicos são fabricadas.

Os especialistas explicam que há dois tipos de “luz azul”: a turquesa e a violeta. “A azul turquesa é benéfica, regula o sono, faz bem ao humor e a memória. A luz azul violeta é nociva, causa cansaço visual, dor nos olhos, dor de cabeça e envelhecimento da retina”, explica o oftalmologista Milton Ruiz, consultor do fabricante de lentes Essilor.

Por conta da ambivalência das propriedades da luz azul, foram desenvolvidas tecnologias capazes de diminuir a incidência do espectro violeta, nocivo, deixando passar apenas o azul turquesa, que é benéfico. “Assim como usamos óculos de sol para nos protegermos dos raios ultravioletas (UV), também precisamos de lentes que nos protegem da luz azul nociva” recomenda Milton Ruiz.

A incidência da luz azul é muito maior em ambientes externos, mas, como passamos muito tempo em ambientes internos, em frente às telas, é indicado que óculos de lentes claras também tenham proteção.

Na ExpoÓptica, maior feira de comércio do setor da América Latina, realizada em São Paulo entre 3 e 6 de abril, a nova tecnologia foi apresentada por fabricantes de lentes a lojistas.

Ver de longe
Além de aumentar a incidência de “luz azul’, as telas também estão mudando nosso comportamento visual. Estamos exigindo cada vez mais da “visão de perto”, o que significa manter o foco nas coisas próximas. Um exercício simples para repousar os olhos deste esforço repetido, é, vez por outra, parar o que se está fazendo para simplesmente olhar ao longe.

A repórter viajou a convite da Associação Brasileira das Indústrias Ópticas – Abióptica