Covid: Reino Unido monitora aumento de casos de nova versão da Ômicron

Subvariante do coronavírus foi encontrada em 40 países. Especialistas acreditam que nova cepa não seja mais grave do que a Ômicron

atualizado 24/01/2022 14:12

ilustração de um coronavírus, colorida, azul em fundo brancoGettyImages

O Reino Unido monitora o crescimento do número de casos de Covid-19 relacionados à BA.2, uma subvariante da Ômicron que parece ser capaz de se espalhar mais rapidamente, mas não tem características que indiquem maior gravidade.

A BA.2 e a Ômicron têm muitas mutações em comum, no entanto, a linhagem mais recente parece ser capaz de se espalhar mais rapidamente, segundo dados da agência britânica, UK Health Security Agency (UKHSA).

Especialistas afirmam que mais estudos precisam ser feitos, mas há pouco com o que se preocupar no momento pois não há evidências de que a BA.2 seja mais grave ou aumente o risco de hospitalizações.

“Até agora, não há evidências suficientes para determinar se a BA.2 causa doenças mais graves do que a Ômicron, mas os dados são limitados e a UKHSA continua investigando”, disse a diretora de Incidentes Covid-19 da agência britânica, Meera Chand.

“Observações muito iniciais da Índia e da Dinamarca sugerem que não há diferença dramática na gravidade em comparação com BA.1 (Ômicron). Esses dados devem se tornar mais sólidos nas próximas semanas”, escreveu o virologista do Imperial College London, Tom Peacock, no Twitter.

“Pessoalmente, não tenho certeza se a BA.2 terá um impacto substancial na atual onda Ômicron da pandemia”, continuou Peacock.

0

Casos

A nova linhagem da Ômicron foi descoberta no início de dezembro, quando cientistas australianos identificaram casos ligados a ela na África do Sul, Austrália e no Canadá.

Acreditava-se que o primeiro paciente seria um homem sul-africano que viajou de Gauteng – epicentro da Ômicron na África do Sul – para Brisbane, na Austrália.

Dados mais recentes mostram que a variante já circulava por outros países em novembro. Aproximadamente 8.040 sequências da subvariante foram feitas desde então em 40 países. A Inglaterra tem 426 casos confirmados de BA.2.

Dados do Sanger, instituto britânico de pesquisa genômica e genética, mostram uma estimativa bem maior, de 1.641 casos apenas no Reino Unido até 8 de janeiro, já que os testes conseguem captar apenas 10% do total real.

Mais lidas
Últimas notícias