Conheça os benefícios de incluir o cuscuz nordestino no cardápio

O alimento é um excelente acompanhamento para saladas e pode ser usado para substituir pão, arroz e tapioca

klebercordeiro, Istockklebercordeiro, Istock

atualizado 27/02/2019 19:42

A versão brasileira do cuscuz, preparada a partir do milho e bastante popular no Nordeste, tem sido incluída em dietas que restringem o consumo de glúten. Além de ser fonte de zinco, magnésio, selênio e vitaminas do complexo B, o cuscuz nordestino tem antioxidantes que contribuem para o sistema imunológico.

Segundo o nutricionista Bruno Fischer, o cuscuz é indicado para substituir alimentos que também são fontes de carboidratos, como o pão, o arroz, a tapioca, o macarrão e os tubérculos em geral. “Usualmente, o cuscuz é utilizado no café da manhã ou no lanche da tarde; mas, por ser fonte exclusiva de carboidratos, deve ser ingerido junto com alimentos que contenham proteínas, como carne, ovo e queijos magros”, afirma.

O especialista explica que o alimento pode ser usado em cardápios tanto para quem quer emagrecer quanto para quem está interessado em aumentar a massa muscular, o que muda é a quantidade.

Uma porção de 35 g de flocos de milho rende um cuscuz pequeno, de aproximadamente 100 g e com 115 calorias. Desse total de calorias, 25 g são de carboidratos, 2 g de proteína e 2 g de fibras. O valor calórico é semelhante a duas fatias de pão de forma integral ou a um pão francês. “O cuscuz usado em grandes quantidades e, principalmente, acompanhado de manteiga, margarina ou outros alimentos gordurosos pode facilitar o ganho de gordura”, avisa o nutricionista.

Últimas notícias