Comer uma maçã por dia pode melhorar a saúde do coração. Entenda

Pesquisadores do Reino Unido e dos Estados Unidos afirmam que as maçãs protegem a saúde do coração quando consumidas diariamente

atualizado 08/11/2022 19:50

Foto colorida de mulher segurando maçã Unsplash/Reprodução

Um tradicional ditado de países de língua inglesa afirma que uma maçã por dia mantém o médico distante. A ideia do provérbio é que a fruta teria nutrientes necessários para garantir a boa saúde. Agora, pesquisadores dos Estados Unidos e Reino Unido descobriram que o dizer tem um fundo de verdade — uma revisão de 157 ensaios clínicos mostra que a fruta possui uma substância química capaz de afastar doenças cardíacas.

Os flavan-3-ols, parte do grupo dos flavonóides, estão presentes nas maçãs e também são encontrados no vinho tinto, chocolate amargo e chá verde. A substância é conhecida por ser capaz de melhorar a pressão arterial, o colesterol e os níveis de açúcar no sangue. Os pesquisadores aconselham as pessoas a consumir uma quantidade equivalente a 400 mg do composto bioativo por dia.

Os estudos analisados destacaram os benefícios dos flavan-3-ols para a saúde, principalmente na manutenção do bem-estar e prevenção de doenças. Especialistas de vários países, financiados pela Academia de Nutrição e Dietética dos EUA, dedicaram-se a investigar mais o composto em ensaios clínicos.

Os resultados mostraram que a ingestão de flavanóides estava ligada à redução da pressão arterial, diminuindo o risco de ataques cardíacos e derrames. O composto também melhorou os níveis de colesterol, que, quando elevados, podem prejudicar a saúde do coração. Além disso, ele foi associado a níveis ainda menores de açúcar no sangue.

“Para reduzir o risco de doença cardiovascular, recomendamos consumir de 400 a 600 mg de flavan-3-ols por dia. Isso equivale a duas xícaras de chá verde, algumas frutas vermelhas e uma maçã. É muito mais eficaz ingerir a quantidade diária por meio de alimentos ou bebidas saudáveis ​​do que tomar um suplemento”, afirma o especialista em nutrição Gunter Kuhnle, da Universidade de Reading, na Inglaterra, ao Daily Mail.

O chá verde é o alimento com maior teor de flavanóides por xícara (320 mg), seguido pelo chá preto (280 mg), amoras (65 mg por 160 g) e cranberries secas (35 mg por 80 g). O chocolate amargo também é repleto do bioativo (20 mg por 18 g), assim como o vinho tinto (15 mg por copo de 150 ml), maçãs (15 mg por maçã pequena) e frutas vermelhas (10 mg por 150 g).

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
0

Consumo consciente

A equipe também observou que os riscos à saúde do consumo excessivo de álcool, por meio do vinho tinto, e das comidas com alto teor de gordura e açúcar, como chocolate amargo, provavelmente superam os benefícios dos flavanóides presentes nesses itens. Os cientistas alertam que suas descobertas se aplicam ao composto biotivo contido em alimentos, não em suplementos.

A pesquisa constatou ainda que os suplementos de flavan-3-ols podem causar sérios danos ao fígado e problemas estomacais quando tomados em altas doses.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias