Brasileiros criam nova molécula para combater câncer de ovário

Pesquisadores da USP desenvolveram composto à base de paládio capaz de combater células do tumor sem afetar tecidos saudáveis

istock

atualizado 28/01/2020 10:27

Pesquisadores da Universidade da USP e colaboradores desenvolveram um composto à base de paládio – metal branco prateado pertencente ao mesmo grupo da platina – capaz de combater células de tumor ovariano sem afetar o tecido saudável.

Nos testes feitos in vitro, com linhagens de células tumorais, a molécula mostrou ação mais seletiva e potente que a da cisplatina – fármaco mais usado hoje contra esse tipo de câncer. O novo composto mostrou-se eficaz até mesmo em linhagens tumorais resistentes à cisplatina.

O artigo, assinado por pesquisadores do Brasil, Reino Unido e Itália, foi destaque de capa do periódico Dalton Transactions, publicado pela Royal Society of Chemistry. A pesquisa contou com apoio da Fapesp.

“A cisplatina é um quimioterápico muito eficiente para esse tipo de tumor, que costuma ser bastante agressivo e precisa ser combatido rapidamente. No entanto, o tratamento pode apresentar efeitos colaterais muito severos, principalmente para rins, sistema nervoso e auditivo. Isso ocorre porque a molécula [cisplatina] não é muito seletiva, ou seja, afeta também células saudáveis”, explicou Victor Marcelo Deflon, professor do Instituto de Química de São Carlos, da USP, e coordenador do projeto.

O trabalho foi conduzido durante o doutorado de Carolina Gonçalves Oliveira, atualmente professora do Instituto de Química da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

(Com informações da Agência Fapesp)

Últimas notícias