metropoles.com

Brasileiros acham proteína que pode ajudar na prevenção do Alzheimer

Estudo com colaboração internacional mostra como a proteína lamina-B1 está relacionada ao envelhecimento do cérebro humano e dos animais

atualizado

Compartilhar notícia

haydenbird/GettyImages
Imagem colorida mostra não apontando com caneta para exame de ressonância magnética de cérebro estado catatônico - Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida mostra não apontando com caneta para exame de ressonância magnética de cérebro estado catatônico - Metrópoles - Foto: haydenbird/GettyImages

Cientistas brasileiros afirmam ter encontrado um biomarcador ligado ao envelhecimento do cérebro que pode estar relacionado com o desenvolvimento da doença de Alzheimer. Em um estudo publicado na revista científica Aging Cell, o grupo de pesquisa, que conta com colaborações internacionais, explica como a redução da quantidade da proteína lamina-B1 nas células nervosas está relacionada ao processo.

Ao jornal O Globo, a coordenadora do estudo, Flavia Alcântara Gomes, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ICB/UFRJ), contou que o objetivo da pesquisa foi reconhecer indicadores de mudanças que podem levar à perda de funções neurológicas e, em alguns casos, à demência.

“A novidade desse estudo é revelar que a lamina-B1 é um indicador de que os astrócitos estão envelhecidos”, disse Gomes.

A cientista explica que a proteína ajuda a manter o núcleo dos astrócitos (células que fazem parte do grupo mais abundante no sistema nervoso central) íntegro. Quando o núcleo encontra-se deficiente, os astrócitos não conseguem mais cumprir seu papel de suporte aos neurônios corretamente, podendo resultar em distúrbios no funcionamento das células nervosas. Esse tipo de perda pode levar a várias doenças neurológicas, como o Alzheimer e outros tipos de demência.

0

Os resultados foram encontrados a partir da análise de roedores, 16 amostras cerebrais de pessoas de meia-idade e 14 de idosos de bancos de encéfalos da Universidade de São Paulo (USP) e de uma instituição da Holanda. Os cientistas esperam que as descobertas possam contribuir para o desenvolvimento de medicamentos que evitem a diminuição dos níveis da proteína no organismo e o envelhecimento dos astrócitos, prevenindo, assim, doenças como o Alzheimer.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações