Brasil registra três casos de danos pulmonares causados por vaper

Sociedade Brasileira de Pneumologia divulgou comunicado informando sobre registros. Pacientes teriam usado THC em cigarros eletrônicos

atualizado 06/12/2019 14:10

licsiren/istock

Um alerta da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) revelou que três brasileiros foram diagnosticados com EVALI, sigla em inglês para lesão pulmonar associada ao uso de produto de cigarro eletrônico, também chamado de vaping ou vaper. Segundo a SBPT, os pacientes teriam usado essências de tetrahidrocanabinol (THC) em dispositivos comprados nos Estados Unidos, uma vez que a venda é proibida no Brasil.

Os pacientes não foram identificados. Para alertar a população à respeito dos riscos do cigarro eletrônico, a SBPT produziu uma série de vídeos sobre tabagismo, DPOC, asma, tuberculose e cigarro eletrônico.

No comunicado, a SBPT informa que os sintomas respiratórios da EVALI costumam incluir tosse, dor torácica e dispneia. Também são comuns sintomas gastrointestinais, como dor abdominal, náuseas, vômitos e diarreia e sintomas inespecíficos, como febre, calafrios e perda de peso.

Entre as recomendações de tratamento, a SBPT sugere que pneumologistas e clínicos utilizem os critérios diagnósticos e classificatórios divulgados pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC), o centro de controle de prevenção e doenças norte-americano.

O tratamento indicado consiste na suspensão imediata do uso do cigarro eletrônico e na administração de medidas de suporte clínico — que incluem oxigênio e, quando necessário, ventilação não invasiva ou invasiva — além do uso de antivirais, antimicrobianos e corticoides.

Os Estados Unidos já registrou 2.291 casos de hospitalização por EVALI e, ao menos, 47 mortes. A mistura de acetato de vitamina E e THC é associada à maioria das doenças relacionadas ao vaper. De acordo com o CDC, mais de 9 milhões de norte-americanos são usuários de cigarro eletrônico.

Últimas notícias