metropoles.com

Bairros nobres têm maior escalada de casos de dengue em SP; veja quais

Bairros nobres da cidade de São Paulo registram maiores altas de casos de dengue; ranking é liderado por Alto de Pinheiros e Itaim Bibi

atualizado

Compartilhar notícia

Getty Images
Imagem colorida mostra Mosquito Aedes Aegypti pousado em uma pele branca. O inseto é preto e tem pintas brancas -Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida mostra Mosquito Aedes Aegypti pousado em uma pele branca. O inseto é preto e tem pintas brancas -Metrópoles - Foto: Getty Images

São Paulo – Bairros nobres da capital paulista sofreram a maior escalada de casos de dengue em 2022. Segundo dados da Prefeitura de São Paulo, os índices quintuplicaram em Alto de Pinheiros e no Itaim Bibi, regiões ricas da zona oeste, no último ano.

Ao todo, a capital paulista contabilizou duas mortes e 11.815 casos confirmados de dengue em 2022 – o maior patamar da doença desde o início da pandemia de Covid-19. O aumento geral de casos foi de 58,6% em relação a 2021. Naquele ano, a Prefeitura também não tinha notificado nenhuma morte por dengue.

Entre os bairros da capital, o maior salto foi registrado no Alto de Pinheiros, que passou de 21 casos de dengue em 2021 para 112 em 2022 – uma alta de 433%. Em seguida, aparece o Itaim Bibi, com aumento de 46 para 224 diagnósticos, ou 387%.

O Metrópoles considerou no levantamento apenas as regiões de São Paulo que tiveram mais de 100 casos de dengue no período. Na sequência do ranking, estão o Ipiranga (379%) e Água Rasa (364%), na zona sul, e Vila Matilde (353%), na zona leste.

Queda na periferia

Ex-líder de casos, o bairro de Cachoeirinha, na zona norte, reduziu as ocorrências de dengue de 417 para 273, uma queda 34,5% em 2022. Proporcionalmente, outros bairros da periferia atingiram resultados ainda melhores.

No Jaçanã, também na zona norte, a redução foi de 54,7% em 2022, passando de 203 casos para 92. Já no Jabaquara, na zona sul, os números caíram de de 203 para 117 (42,4%), enquanto que em Cidades Tiradentes, na zona leste, os casos diminuiram de 258 para 150 (41,9%).

Combate à dengue

Nesta semana, a gestão do prefeito Ricardo Nunes (MDB) anunciou ações para “dobrar a capacidade de combate” ao mosquito Aedes aegypti, vetor da doença, em 2023. Para isso, a Prefeitura conta com compra de 5 mil litros de inseticida e 30 novos nebulizadores veiculares, com previsão de entrega até fevereiro.

Ricardo Nunes, prefeito de SP
Prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes

O período de maior incidência de dengue, que é uma doença sazonal, normalmente acontece entre os meses de março e maio.

Em 2022, equipes do municípiais realizaram mais de 2,4 milhões de visitas casa a casa, além de 2,7 milhões de ações de bloqueios de criadouros e nebulizações em 2022, segundo a Prefeitura. Outros 45,2 mil imóveis especiais e pontos estratégicos foram vistoriados.

“As ações de prevenção e controle ocorrem de forma rotineira em todas as regiões da cidade. Vale destacar que quando um caso de dengue é notificado são realizadas ações adicionais de bloqueio de criadouros e nebulização no local”, diz.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações