Rússia: “Viemos levar a paz para a Ucrânia e tirar o tumor nazista”

Embaixador russo na ONU, Vassily Nebenzia, defendeu a invasão e negou qualquer crime de guerra durante o conflito

atualizado 05/04/2022 14:42

Vassily Nebenzia, embaixador russo na ONU, defende o país das acusações feitas pela Ucrânia - MetrópolesDivulgação/ONU

A diplomacia russa voltou a falar em “nazismo” como justificativa para invasão ao território ucraniano, em 24 de fevereiro. Durante sessão do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), o embaixador russo, Vassily Nebenzia, defendeu que os seus conterrâneos estão “levando a paz” ao país vizinho.

“Viemos levar a paz para a Ucrânia, para tirar o tumor nazista que está consumindo a Ucrânia e que em breve nos consumiria, e vamos conseguir nosso objetivo”, declarou nesta terça-feira (5/4). Ele negou que crimes de guerra tenham acontecido durante o conflito.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

Antes, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, voltou a acusar as tropas russas de tortura.

“Civis foram atingidos por tiros na cabeça após serem torturados. Mortos dentro de apartamentos e casas. Civis atropelados por tanques. Apenas por divertimento cortaram membros; mulheres foram estupradas, e pessoas tiveram línguas cortadas”, detalhou.

Reações

A Organização das Nações Unidas (ONU) e a União Europeia condenaram a atuação do Exército russo na Ucrânia e anunciaram represálias.

Nesta terça-feira (5/4), o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, admitiu que o conflito é um dos maiores desafios da instituição nas últimas décadas.

Na abertura de Conselho de Segurança, Guterres defendeu uma investigação independente sobre as denúncias de crimes de guerra, como o assassinato de civis e o uso indiscriminado de armamentos ilegais.

“Estamos lidando com a invasão de um membro da ONU por outro membro da ONU. Além disso, a batalha gerou a perda de vidas, as devastações em massa, o mais veloz movimento migratório desde a 2ª Guerra Mundial e as implicações econômicas. As pessoas ao redor do mundo não podem pagar o preço dessa guerra”, afirmou.

Novas sanções

A União Europeia divulgou o esboço do que será a quinta rodada de sanções econômicas contra a Rússia. A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, confirmou a punição.

Entre as medidas estão a proibição de compra de carvão russo, banimento de quarto bancos, proibição do acesso aos portos do bloco por navios operados por russos, entre outras vedações a exportações.

As retaliações ocorrem após o mundo ficar assombrado com gravações divulgadas nesse domingo (3/4), onde é possível ver cenas fortes da tragédia na cidade de Bucha, próxima a Kiev.

As imagens mostram ao menos 20 cadáveres no chão e em valas comuns. O governo ucraniano diz que mais de 400 corpos de civis foram encontrados na cidade.

Mais lidas
Últimas notícias