O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, usou seu Twitter para responder declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre o cancelamento de sua visita à cidade. O carioca afirmou, durante café da manhã com deputados federais na última quinta-feira (09/05/2019), que “o prefeito se comporta como um radical, promovendo e se preparando para fazer manifestações das piores possíveis com a minha presença”.

O americano subiu o tom para responder as declarações de Bolsonaro. “Se você quer invadir nossa cidade e se gabar de destruir nosso meio-ambiente ou de como você ‘tem orgulho de ser homofóbico’, os novaiorquinos vão chamar sua atenção por todas essas besteiras. Se é ‘radical’ combater sua ideologia destrutiva, então nós somos radicais orgulhosos”, escreveu.

Entenda o caso
Bolsonaro desistiu de ir a Nova York para receber o prêmio de Pessoa do Ano da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, após diversas empresas desistirem de patrocinar o evento. O Museu de História Natural de Nova York foi o primeiro a demonstrar insatisfação com a presença do líder brasileiro. Inicialmente, o jantar seria realizado nas dependências da instituição.

A direção do museu usou o Twitter para informar que o evento seria cancelado, pois a postura de Bolsonaro ia de encontro ao que a instituição defende. Um famoso restaurante da cidade também recusou a proposta para sediar a premiação. Em seguida, empresas como a companhia aérea Delta também anunciaram que retirariam o patrocínio do evento.

No dia 3 de maio, o Palácio do Planalto emitiu uma nota para informar que, “em face da resistência e dos ataques deliberados do prefeito de Nova York e da pressão de grupos de interesses sobre as instituições que organizam, ficou caracterizada a ideologização da atividade”.

O presidente anunciou na última sexta-feira (10/05/2019) que o encontro acontecerá em Dallas, no Texas. O prefeito da cidade, Mike Rawlings, afirmou que discorda fortemente de diversas posições de Bolsonaro, mas que realizaria o evento em respeito ao povo brasileiro.

Bolsonaro passará apenas dois dias em Dallas – dias 15 e 16 de maio. Não está prevista a presença de Rawlings em nenhum dos eventos dos quais o presidente brasileiro deve participar.