Banco Mundial anuncia plano para ajudar países mais pobres a comprar vacina

Banco pede a principais acionistas das nações ricas que apoiem um esquema que planeja desembolsar o dinheiro nos próximos 12 a 18 meses

atualizado 29/09/2020 20:27

vacina laboratórioDivulgação/Louis Reed/Unsplash

O Banco Mundial, instituição financeira internacional, anunciou planos para uma iniciativa de US$ 12 bilhões que permitirá a países pobres comprar vacinas contra Covid-19, informa o jornal britânico The Guardian. O plano vem como uma tentativa de garantir que os países de baixa renda não sejam bloqueados pelas nações ricas. A organização está pedindo aos principais acionistas das nações ricas que apoiem um esquema que planeja desembolsar o dinheiro nos próximos 12 a 18 meses.

De acordo com David Malpass, presidente do Banco Mundial, “houve uma reserva substancial de doses por parte dos países de renda mais alta e queremos garantir que os países de renda baixa e média também tenham acesso”.

Na Alemanha, autoridades anunciaram uma série de novas regras para tentar conter o aumento dos casos – entre as regras, está medida que limita em 50 o número de pessoas permitidas em bares e locais alugados, com a recomendação de que as festas privadas sejam limitadas a 25.

O governo, no entanto, tenta evitar medidas que possam prejudicar a economia, e busca manter escolas e creches abertas.

A todo custo

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse durante videoconferência com primeiros-ministros dos estados federais que queria evitar um bloqueio total “a todo custo”.

De acordo com a mandatária, “queremos agir regionalmente, de forma específica e proposital, em vez de fechar o país inteiro novamente”. “Isso deve ser evitado a todo custo”, acrescentou.

A Holanda também reforçou suas restrições nessa segunda-feira (28/9). Nas três maiores cidades do país – Amsterdã, Roterdã e Haia -, pessoas serão aconselhadas a utilizar máscaras dentro de lojas, uma medida que o governo ainda não havia recomendado. As novas restrições entram em vigor na noite de terça-feira e vigorarão por pelo menos três semanas.

0

Últimas notícias