Superalimentos: saiba o que são, seus benefícios e como consumir

Gengibre, chia, nozes, lentilha e espinafre são alguns dos superalimentos mais fáceis de encontrar

atualizado 16/04/2021 10:55

superalimentosUnsplash

Os superalimentos têm ganhado muito destaque na mídia, ainda mais em um tempo em que dieta, alimentação e cuidado com a saúde é assunto recorrente. Basicamente, eles são alimentos com alto teor nutricional e existem em diversas áreas, desde hortaliças até produtos de origem animal, frutas, cereais e oleaginosas.

A nutricionista funcional Júlia Dovera, 28 anos, explica: “Os superalimentos podem ser interessantes para melhorar a qualidade de uma alimentação, ou seja, deixar o preparo mais nutritivo”, mas ressalta que é necessário ter cautela com o deslumbramento que há em torno deles “nenhum alimento é milagroso, tudo vai depender de como estão os nossos hábitos alimentares e estilo de vida. Os superalimentos também possuem calorias. Um exagero das quantidades desses itens pode sim atrapalhar o emagrecimento.”

Apesar de estarem em alta, o termo superalimento não é reconhecido pela ciência por várias razões: não há limites certos de quantidade de nutrientes que devem ter, quais nutrientes, enfim, não há rigor técnico, há também o fato de que vários deles passam por processamento, adição de açúcar e outros componentes.

Dito isso, neste artigo vou dar dicas de como consumir tais alimentos:

Frutas

Os principais representantes são abacate, tomate, mirtilo, melancia, açaí e kiwi. O ideal é comê-las cruas ou pouco processadas. Se for fazer um suco, lembre-se de não coar, pois perde-se muitos nutrientes e fibras no processo, selecionando basicamente o açúcar do fruto. Não limite sua criatividade, a grande maioria das frutas combina com saladas e preparos salgados.

0
Origem animal

Salmão e ovos. O peixe é considerado um superalimento, principalmente pelo ômega 3.  Já os ovos, antes vilões, agora são reconhecidamente fontes de diversos nutrientes. Dê preferência ao salmão selvagem, fácil de ser encontrado congelado em diversos mercados e muitas vezes, com um preço mais acessível que o de cativeiro fresco. Quanto à forma de prepara-los, fica a seu critério, levando em conta, obviamente, que frituras são menos saudáveis.

Oleaginosas, leguminosas e cereais

Nozes, quinoa, lentilha e chia são os principais representantes. Nozes podem ser comidas cruas, enquanto a quinoa, lentilha e a chia devem ser cozidas e depois podem ser servidas em acompanhamentos quentes e até em saladas. Mas cuidado, todas são razoavelmente calóricas.

As nozes são ricas em gorduras (boas) e a quinoa, lentilha e chia possuem uma boa quantidade de carboidratos. Inclusive, são excelentes fontes desse macronutriente se você quer deixar sua dieta saudável, abrindo mão de arroz branco e macarrão.

Hortifrutis

Aí são vários, mas podemos citar os mais famosos: batata doce, espinafre e brócolis. A batata doce deve ser consumida assada ou cozida. O espinafre pode ser comido cru ou refogado, já o brócolis, não deve ser cozido além da conta.

Raízes

Destaco a cúrcuma, também chamada de açafrão-da-terra, e o gengibre. Use-os em pratos doces, salgados e sucos, só lembre de sua potência. O gengibre é refrescante, já a cúrcuma dá um sabor terroso ao preparo.

Últimas notícias