Ewê Bistrô inaugura conceito de etnogastronomia no DF

A casa capricha no tempero para saudar a comida com origem de etnias africanas

atualizado 19/11/2017 6:06

Hugo Barreto/Metrópoles

Uma nova forma de se pensar e fazer comida está tomando conta da comercial da 216 Norte. Comandado por Leila Negalaize, o Ewê Bistrô trabalha com a ideia de etnogastronomia. A novidade não influencia apenas os ingredientes que vão à panela. Toda a decoração da casa, a relação com os clientes e o negócio são afetados por esse entendimento.

A etnogastronomia é um conceito criado por Leila. Significa trabalhar sabores e olhares a partir da cosmovisão africana. Sendo assim, na cozinha do Ewê, figuram elementos usados pelos povos africanos na diáspora.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
Publicidade do parceiro Metrópoles 7
Publicidade do parceiro Metrópoles 8
Publicidade do parceiro Metrópoles 9
0

O regime de operação do Ewê é no estilo de bistrô. Leila trabalha resgatando a forma original do termo e se refere a pequenas tabernas europeias comandadas por mulheres. Após a 2ª Guerra Mundial, devido às mortes ou à invalidez de seus maridos, muitas esposas e mães precisavam abrir os fundos de casa para cozinhar o que estava disponível na dispensa e, assim, angariar fundos e sustentar a família. Devido à informalidade do funcionamento, um menu fixo era inviável.

Apesar de não ser informal, o Ewê também não possui cardápio. Tudo que é servido depende da disponibilidade de ingredientes e da criatividade da cozinheira, dona, garçonete, recepcionista, e todos os papéis possíveis acumulados por Leila.

Diversidade
Segundo Leila, a comida realmente afrobrasileira não é apenas a baiana. “Você vai em Minas Gerais, tem o tutu, tem coisas no Sul também… Não dá para ser reducionista. É perigoso focar só na coisa do afrobrasileiro porque essa ideia pode esconder uma visão de colocar tudo que vem desse continente num mesmo saco ou retirar seu protagonismo na formação do Brasil. Vale lembrar: o negro não veio amigavelmente, mas escravizado”.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Ato de protesto
Na casa, é possível consumir e se empoderar ao mesmo tempo. O objetivo do local é oferecer uma experiência antropológica. “Não venha com muita fome porque a depender da minha animação na conversa posso demorar um pouco a servir a comida”, brinca Leila. Para a chef, é mais importante, além da boa comida, conversar, ouvir e trocar conhecimentos.

A própria organização do espaço, pequeno e intimista, com cozinha aberta, favorece o diálogo. Todos os presentes podem se comunicar diretamente com a chef e, normalmente, as mesas ficam juntas, criando uma atmosfera de colaboração.

O espaço recebeu o projeto HUB, com mulheres de Recife, Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. O chamado Projeto para jovens mulheres negras fortalecidas na luta contra o racismo e o sexismo animou a tarde da casa. Confira:

A origem do nome Ewê também tem história. Ewê (ou jeje) desgina um grupo de aproximadamente 3 milhões de pessoas e na região do Congo e da Nigéria, sendo também o nome da língua falada por esse povo. O bistrô funciona desde 11 de novembro.

Ewê Bistrô – Etno gastronomia
216 Norte, Bloco D, subsolo (loja virada para a comercial). Quinta a segunda (e feriados), das 18h às 22h. Reservas e orçamentos pelo telefone 98109-9931.

Mais lidas
Últimas notícias