Burger e vinho: mesmo na pandemia, novidades movimentam cena gastronômica

O Metrópoles elencou as principais boas novas de Brasília, que inclui pontos de restaurantes conhecidos e marcas inéditas

atualizado 03/07/2020 12:30

Mesa com diversos tipos diferentes de pratosReprodução/ FreePik

Em amplo desenvolvimento, a gastronomia em Brasília segue sendo uma caixinha de surpresas. Desde que a quarentena começou, novidades aparecem das mais variadas formas em todos os cantos da capital. E, aparentemente, sem tempo ruim: afinal, em meio a uma pandemia, marcas surgiram, se reinventaram, se estabeleceram e pretendem seguir por aqui.

Na avaliação de especialistas, os riscos de investir em um negócio durante a crise sanitária e econômica são os mesmos já existentes no pré-Covid 19, e outras oportunidades podem ser capturadas para atender novas demandas e se alinhar aos novos hábitos de consumo.

Com exceção dos protocolos indispensáveis para garantir a biossegurança na atualidade, o trajeto para o empreendedorismo deve ser o mesmo: estudo de mercado e planejamento. A tecnologia também passa a ser premissa de sobrevivência para negócios novos e veteranos, sejam eles virtuais ou não.

O economista Mário Monteiro, observa que, nesse contexto, há mudança de paradigmas que produz novas vivências nas diversas esferas. “A percepção dos consumidores, neste momento, para uma série de produtos e formas de consumir se transformou. Surgiram alterações, e os empreendedores que identificarem esse movimento corretamente vão conseguir fazer um bom investimento”, analisa.

Os novos burgers

Foi nesse cenário que o Ricco Burger investiu em mais uma unidade na cidade. Continuando com a premissa de oferecer carne de boa procedência, iniciativas sustentáveis, ingredientes que contam história, a casa, que tem o menu assinado pela chef Renata Carvalho, vai abrir no Lago Sul.

A previsão de abertura oficial é na primeira semana de julho e será no formato “Pega e Vaza”, valorizando o take out e enriquecendo o comércio da subida da QI 23. Outro nome já queridinho dos amantes de hambúrguer que investiu em novos pontos de venda foi o Páprica.

No último mês, a marca abriu uma nova operação na 405 Sul, no Posto BR, somente para delivery e take out. A segunda loja já está em instalação também na QI 23 e tem previsão de abertura no mês de julho.  O menu contará com um up: além das opções já conhecidas pelos clientes, os novos locais também trarão as opções da Munch, hamburgueria de smash burger dos mesmos donos.

Quem também aproveitou o momento para inaugurar uma nova unidade foi o Mandela Burger & Beer. O endereço escolhido pelos sócios, que já contavam com duas unidades no Guará, foi a 716 Norte. Dentre as opções do menu, mandela burger, feito com pão brioche, 150g de carne, queijo e olho especial é o mais pedido. Ele aparece nas versões simples (R$ 12), duplo (R$ 19,90) e triplo (R$ 23,90).

Por ora, a operação segue com o delivery, mas a ideia é abrir para o público assim que os restaurantes forem autorizados pelo Governo do Distrito Federal (GDF) a funcionar com o salão aberto.

Um novo empreendimento pensado para o momento foi o Sem Noção. A hamburgueria, que abriu as portas de duas unidades simultaneamente, na Asa Norte e em Águas Claras, aposta no atendimento somente por delivery ou no balcão. Além disso, o menu é simples e conta com preços muito abaixo dos da concorrência, com opções entre R$ 10 e R$ 12.

Dentre as delícias, a boa pedida é o só o ouro (R$ 12), que leva pão, carne, cheddar e cebola caramelizada, e o irado (R$ 12), com pão, carne, queijo prato, salada e maionese de bacon. Quem quiser acrescentar batata e refrigerante, sai por R$ 8.

O Artesanal Quatro Burger também foi na contramão da crise e inaugurou a sua primeira unidade no Plano Piloto. A unidade fica na 404 Sul, local que já abrigou o Brace Parrilla, que fechou as portas em abril por causa da pandemia. A ideia é não parar: os sócios Francisco Carvalho e Flávio Alves pretendem abrir ainda em Sobradinho, na Asa Norte e no Sudoeste.

No cardápio, burgers “diferentões”, como o burger de carne de sol, que leva queijo coalho, molho especial, bacon e salada. Outros sabores incluem pernil suíno, costela bovina e burger de grão de bico. Para quem quer provar um pouco de tudo, a opção é o rodízio to go, composto por quatro miniburgers e uma porção de batata (R$ 36,90).

0
Doce sabor

A quarentena foi um período ótimo para colocar alguns planos que estavam engavetados em prática. A fisioterapeuta Andrea Vasconcelos ficou sem clientes devido ao isolamento social e decidiu abrir a Suspirando Sonhos, marca especializada em suspiros gourmet. “Eu sempre tive vontade de abrir essa empresa, mas não tinha tempo. Com a quarentena, eu consegui investir”, conta.

O menu tem uma grande variedade de sabores. “Fiquei testando receitas por muito tempo até chegar na ideal, e os sabores são surpreendentes. Até eu não consigo parar de comer”, relata a empreendedora. Os sabores vão do tradicional aos mais diferentes, como tangerina, frutas vermelhas, café e menta. Segundo ela, o mais pedido é o de limão.

A embalagem com 100g sai a R$ 15, e o cliente pode pedir os suspiros banhados em chocolate. Para presentear, ela conta com caixas especiais e até suspiros em formato de coração. “Muitas pessoas querem surpreender os entes queridos na quarentena e pedem algo mais delicado e trabalhado”, entrega.

O American Cookies também teve novidades. A famosa marca de doces abriu as portas da sua primeira unidade na Asa Sul no último mês. Com lojas em Águas Claras e no Sudoeste, além de um quiosque no Gilberto Salomão, ela investiu no bloco D da 406 Sul. Por conta da quarentena, a operação está funcionando somente para take away e delivery.

A Conchego Brownie surgiu durante o isolamento social para suprir uma necessidade de “se mexer” da estudante Maria Clara de Nápolis. Como o próprio nome diz, a marca vende brownies especiais. “Fiz a receita umas 20 vezes antes de chegar na ideal. Estou no comecinho ainda, mas já tenho um feedback muito bom dos clientes”, conta a jovem.

Iniciada a pouco menos de um mês, a marca possui os sabores tradicionais (R$ 8, com recheio de brigadeiro, doce de leite, leite Ninho, creme de avelã e também um especial, com morangos, em formato de coração. “Fiz para o Dia dos Namorados, mas fez tanto sucesso que decidi colocar no cardápio”.

0
Delícias argentinas

Os chefs Lucas Arteaga e Mariel Marti, conhecidos pelo badalado bufê Umami, também encontraram uma nova forma de se reinventar. A dupla argentina lançou o e-commerce Pop-Up Argentino que, a princípio, vai vender empanadas, doces e molhos típicos do país hermano. Os itens levam algumas matérias-primas de lá, como a farinha de trigo, o doce de leite e a mozzarella, para garantir mais autenticidade.

“Sem os eventos, tivemos que reinventar. Então decidimos criar algo que remetesse às nossas origens e que fosse gostoso”, conta Mariel. Segundo ela, o foco foram produtos que fazem parte da história de ambos. No menu, as empanadas feitas a mão são carros-chefe. Elas são entregues em porções de três unidades assadas e congeladas a vácuo por R$ 26. Entre os sabores, carne picante, cebola caramelizada, caprese, frango caipira, humita (milho cremoso) e champignon com espinafre.

Para adoçar o paladar, é claro que o doce de leite é protagonista. Ele está nos alfajores (duas unidades a R$ 14 ou seis a R$ 36), no flan (quatro unidades por R$ 48) e no rogel, uma torta rústica em camadas (seis porções a R$ 48).

A marca vende ainda um pote de molho chimichurri (R$ 19), uma misturinha para acompanhar carnes, feita de ervas e temperos marinados no azeite. Para o futuro, a chef entrega que a marca pode se tornar definitiva. “Temos que ver como caminha o pop-up e, depois que acabar o isolamento social, como estará o mercado”, pontua.

0
De tudo um pouco

Que os pães foram um dos hits da quarentena, ninguém pode negar. Contudo, nem todos os chefs improvisados se deram bem em fazer seu próprio pãozinho artesanal. Para quem não conseguiu, uma solução: a Pangeia surgiu com pães especiais para os comensais.

No cardápio, além deles, a micro-empresa conta ainda com bolos e geleias artesanais. Os mais pedidos são o pão de milho (R$ 8), o pão doce (R$ 10) e as geleias de morango e manga com maracujá (R$ 20 cada). A empresa investiu ainda em caixas personalizadas para presentes, à escolha do cliente.

Para quem aderiu ao sucesso dos vinhos, a Sanabria Vinhos Nacionais surge como uma alternativa aos supermercados. A marca aposta em vinhos do Brasil de pequenas vinícolas. “Quero fazer conhecidos os pequenos negócios do Sul que possuem vinhos excelentes, mas ainda não têm tanta visibilidade”, entrega o enólogo à frente da empresa Carlos Sanabria.

Dentre os produtores que tem parceria com a marca, então a Vinícola Larentis, que está situada dentro do Vale dos Vinhedos no Rio Grande do Sul e é comandada pelo enólogo André Larentis; a Vinícola Czarnobay, situada na Serra do Sudeste Encruzilhada, e comandada por Antonio Czarnobay (que já foi reconhecido como melhor enólogo do Brasil); a Faccin, situada em Monte Belo do Sul, distrito de Bento Gonçalves; e a Vinícola Boroto, situada em Garibaldi, ela fez o primeiro espumante orgânico do Brasil.

Ele oferece dois tipos de vinho: os convencionais, feitos com adição de leveduras, sulfito, e correções pelo enólogo; e os naturais, em que não há nenhuma intervenção enológica na fermentação e elaboração. Vale pedir o Faccin Cabernet Franc 2018 (R$ 85,90), o espumante rosé Variedae Isabel (R$ 91) e o Alto das Figueiras Merlot (R$ 91).

Outra novidade é a Drink Me, que colabora para que drinques deliciosos cheguem prontinhos e refrescantes na casa dos clientes. Comandada por Kamilla Viana, a marca tem a premissa de comercializar coquetéis gourmet por um preço acessível.

No menu, os mais pedidos são o praiano (R$ 24,99), que leva maracujá, morango e hortelã; o paradaise (24,99), feito com morango, cranberry, limão e hortelã; e o siciliano (24,99), com limão siciliano e blueberry. Ao escolher o sabor, o cliente pode pedir o drinque com gin, rum ou vodka.

Lançamento da Drink Me, o comensal também poe escolher receber as bebidas em uma embalagem descartável e ecológica. Nela, os coquetéis ficam mais baratos, com preços entre R$ 14,99 e R$ 19,99. Para os pequenos não ficarem de fora, a empresa vende todas as opções sem álcool.

O chef Ian Iwata também aproveitou o isolamento social para investir em um novo negócio. À frente da hamburgueria Secreto e da Bárbaro, o profissional decidiu apostar no delivery pra impulsionar as vendas de suas operações. Agora, o Secreto Burger terá entregas também na Asa Sul com sanduíches a preços mais acessíveis. “Temos um público grande por lá”, explica.

Além disso, Ian criou uma nova marca, que leva seu nome. “A ideia aqui é entregar ma boa gastronomia na casa do cliente, com pratos que vão dos clássicos aos contemporâneos”. No cardápio, galinhada, strogonoff de filé e moqueca de peixe saem por R$ 39,90. Já o risoto de pêra e gorgonzola acompanhado de tornedor de filé mignon ao molho roti; mousseline de baroa acompanhado de tornedor de filé ao molho alfredo e aspargo enrolado no parma; e o fettuccine com aspargos, cogumelo paris frescos e uma tira de picanha black angus saem por R$ 59,90.

0
Revitalizando a cidade em meio à pandemia

O complexo de entretenimento chamado Infinu é comandado pelos sócios Miguel Galvão, Ernani Pelúcio e Frederico Attie. A premissa é ressignificar a W3 Sul e dar visibilidade a criadores brasilienses. A ideia do local, que já está aberto em regime de soft opening na 506 Sul,  é contar com a força de microempreendedores da cidade somada a ações culturais e de lifestyle.

“Percebemos essa necessidade de ter um contato diferente com o público, e que não se restringisse aos dias do Picnik, projeto que também comandam. Começamos a olhar para os vazios urbanos da cidade como diamantes brutos. A W3 Sul, por exemplo, tem uma alta taxa de desocupação”, conta Galvão.

As operações Alfredo’s Pizzaria, Loca Pocket, Antonieta Café  e a Comedoria Sazonal já estão de portas abertas para delivery ou take out. O local conta também com o Mimo Bar, que ainda não tem previsão de inauguração.

Recapitulando

Vale lembrar também de empreendimentos já citados pelo Metrópoles, como a Menu, a Broto Gastronomia, a Quitutes da Naná, a Pudinzim e a Meu Bolo, que foram apresentadas nesta matéria sobre novos empreendimentos que surgiram durante a crise.

Outra marca que surgiu durante o isolamento social  é a Franks Hot Dog. O projeto, encabeçado pelo chef Gil Guimarães, surgiu em 2019, mas só foi efetivado em maio deste ano.

Uma proposta inovadora que também teve destaque com exclusividade no site foi a da Mivê Pães. A primeira padaria digital de Brasília foi idealizada por Caio Martins, que comanda a marca junto com os sócios Alice Firmino, Felipe Santana e Thais Firmino.

Iniciativas como a do Pueblito, que une a carne uruguaia ao incomparável tempero brasileiro, também merecem o lembrete. Em clima junino, o Metrópoles também destacou as caramel apples da Mabi Dolce Gusto.

Mandela Burger & Beer

716 Norte. Pedidos pelo WhatsApp (61) 99865-6914 ou via iFood. 

Sem Noção Burguer

701 Norte, Lote P, Loja 40T e Rua das Paineiras, Lote 7, Loja 8 – Águas Claras. Pedidos pelo link ou via iFood.

Artesanal Quatro Burger 

404 Sul. Pedidos via iFood.

Suspirando Sonhos

Pedidos via Instagram ou pelo telefone (61) 99536-0858.

American Cookies

406 Sul. Pedidos via UberEats. 

Conchego Brownie

Pedidos pelo Instagram.

Pop-up Argentino

Pedidos pelo site oficial da marca.

Pangeia

Pedidos pelo Instagram.

Sanabria Vinhos Nacionais

Pedidos pelo Goomer Go.

Drink Me

Pedidos via WhatsApp (61) 99411-3586.

Secreto Burger e pratos do chef Ian Iwata

Pedidos pelo iFood. 

Últimas notícias