Antes mesmo de começar, Copa América tem 19 casos de Covid

Primeiro jogo do torneio ocorrerá às 18h deste domingo (13/6). Três seleções anunciaram casos positivos do novo coronavírus

atualizado 13/06/2021 16:48

Mané GarrinchaMyke Sena/Especial para o Metropoles

Ao menos 19 atletas e membros de comissão técnica de seleções que irão disputar a Copa América 2021, no Brasil, já testaram positivo para o novo coronavírus (Sars-CoV-2). O torneio tem início neste domingo (13/6). Brasil e Venezuela dão o pontapé inicial às 18h, no estádio Mané Garrincha, em Brasília.

Como revelou o Metrópoles, a Venezuela foi a primeira das três seleções que confirmaram casos de Covid-19.

Até a tarde desse sábado (12/6), foram confirmados 12 testes positivos entre os venezuelanos, sendo oito atletas. À noite, a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), disse que mais um integrante da delegação pegou Covid-19, e o número de contaminados subiu para 13.

Também na noite desse sábado, a Federação Boliviana de Futebol (FBF) informou que três jogadores e um membro da comissão técnica da seleção foram diagnosticados com a doença.

A seleção boliviana estreia na competição nesta segunda-feira (14/6), contra o Paraguai, em Goiânia (GO).

“Atualmente, as pessoas detectadas se encontram em bom estado de saúde e isoladas do grupo. Além disso, foram iniciados imediatamente todos os procedimentos estabelecidos pelo protocolo de biossegurança do corpo médico da FBF e da Conmebol para a competição”, assinalou a federação.

0

Por sua vez, a Federação Colombiana de Futebol informou, neste domingo (13/6), que dois membros de sua comissão técnica testaram positivo para o novo coronavírus.

A delegação está em Cuiabá, onde estreia na Copa América às 21h deste domingo, contra o Equador.

Terceira opção

A Copa América ganhou abrigo no Brasil depois de ter sido recusada pela Colômbia, devido a protestos que ocorrem no país, e pela Argentina, por conta da pandemia.

Em 31 de maio, a Conmebol confirmou o Brasil como sede da competição.

Para isso, a Conmebol recorreu ao então presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo – afastado do cargo após denúncias de assédio sexual contra uma secretária -, que consultou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O mandatário da República deu sinal verde à competição.

“No que depender de mim e de todos os ministros, inclusive o da Saúde – já tá acertado –, haverá [Copa América]”, disse Bolsonaro, na ocasião. “Protocolo é o mesmo da Libertadores, é o mesmo da Sul-Americana, é a mesma coisa”, completou.

Vídeos
Últimas notícias