metropoles.com

Museu dos Correios cancela exposição com obras sobre sexualidade

A mostra de Juan Pedro Gutiérrez e Gerson Fogaça saiu do espaço e será exibida no Museu Nacional. Curadora fala em censura institucional

atualizado

Compartilhar notícia

DIVULGAÇÂO
Gerson-Fogaça-80-x-100-cm-2
1 de 1 Gerson-Fogaça-80-x-100-cm-2 - Foto: DIVULGAÇÂO

Obras do pintor e escritor cubano Pedro Juan Gutiérrez e do goiano Gerson Fogaça estão no centro de mais uma polêmica entre o governo federal e o meio cultural. A exposição, inicialmente marcada para começar nesta quinta-feira (13/06/2019), no Museu dos Correios, foi retirada do espaço original por não atender às “políticas de associação à marca dos Correios”.

A mostra intitulada O Sangue no Alguidá, Um Olhar Desde O Realismo Sujo Latino-Americano, que reúne 50 peças dos dois artistas, abrirá ao público nesta quinta-feira (13/06/2019), em nova casa: o Museu Nacional da República (Eixo Monumental). O espaço é administrado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec), enquanto o Museu dos Correios é de responsabilidade da empresa pública do governo federal.

De acordo com a produção da exposição, nessa segunda-feira (10/06/2019), dois dias antes da abertura ao público, o Museu dos Correios avisou que cinco obras dos artistas, que retratavam cenas de sexo presentes na literatura de Gutiérrez, não estavam de acordo com as novas políticas institucionais. O espaço, então, ofereceu duas opções: a retirada das pinturas ou o cancelamento da mostra.

Como a demanda foi rejeitada pelos artistas, o impasse ocorreu. Gutiérrez e Fogaça optaram por retirar a exposição e, segundo a assessoria de imprensa da mostra, deu-se início à busca por um novo espaço.

Veja as obras de Gerson Fogaça sobre Pedro Juan Gutiérrez questionadas pelo Museu dos Correios:

0
Normas institucionais

“Cinco obras precisariam ser remover por não ‘estarem de acordo com as normas institucionais’. Dessa forma, os artistas optaram por retirar a exposição do local”, disse a assessoria de imprensa da mostra.

Por meio de nota, o Museu dos Correios confirmou que a retirada das obras foi solicitada. “A exposição O Sangue no Alguidá é um diálogo entre as obras do escritor cubano Juan Pedro Gutiérrez e do pintor goiano Gerson Fogaça. Questionada sobre o material, a produção informou que não haveria conteúdo contrário às normativas internas da empresa. No entanto, durante a aprovação do catálogo, foram observadas algumas imagens que não condizem com a política de associação da marca Correios. Assim, foram feitas duas sugestões à curadoria: dar andamento à exposição, com a retirada das imagens em questão; ou não realizar a exposição. Tendo em vista a recusa da organização em retirar as imagens indicadas, a exposição foi recusada”, informa a empresa pública.

Malu da Cunha, produtora executiva da exposição, alega que, há cerca de quatro meses, enviou o projeto e o texto da mostra. “Só se eles não leram o material. Lá estava tudo explicado. O Fogaça narra visualmente a estética do Juan Pedro, que envolve sexualidade”, analisa.

Isaac Risco/picture alliance via Getty Images
Pedro Juan Gutiérrez, pintor e escritor cubano
Nudez

Nas obras em questão, George Fogaça retrata a poética do escritor Pedro Juan Gutiérrez – que também expõe pinturas na mostra. A polêmica estava justamente nas peças que contêm conteúdo sexual, com desenhos de genitais masculinos e femininos. “Não são construções sexuais, ele traz representações do trabalho do autor cubano, que aborda a miséria e a sexualização no cotidiano das pessoas”, explica Malu da Cunha.

A curadora da exposição, Dayalis Gonzáles Pérdomo, chama o episódio de “censura institucional”. “Já sabíamos que O Sangue no Alguidá seria transcendental, justamente porque adentra as vísceras da cultura ocidental, tratando de sexo, violência, marginalidade e pobreza na América Latina”, colocou.

Malu da Cunha afirmou ainda que sugeriu diversas medidas para o Museu dos Correios, como o aumento da classificação indicativa (de 16 para 18 anos) e a colocação de panos em frente às telas de conteúdo mais sensível.

Facebook/Divulgação
Dayalis Gonzáles Pérdomo, curadora da mostra

A mostra conta com patrocínio do Fundo de Arte e Cultura (FAC) e Programa Estadual de Incentivo à Cultura (Lei Goyazes), dois programas de incentivo do estado de Goiás.

Mudança de local

Após o impasse com o Museu dos Correios, a exposição O Sangue no Alguidá, Um Olhar Desde O Realismo Sujo Latino-Americano foi abrigada no Museu Nacional da República. O evento abre para o público nesta quinta (13/06/2019) e segue em cartaz até 6 de agosto.

Nesta quinta-feira, também ocorre a palestra Encontro com Pedro Juan Gutiérrez, com mediação do jornalista Sérgio de Sá e participação da curadora Dayalis Gonzáles Pérdomo, na Casa da América Latina. As vagas são limitadas.

JP Rodrigues/ Metrópoles
Exposição foi transferida para o Museu Nacional da República

“Pedro Juan é importante porque ele lançou essa trilogia suja de Havana, mostrando um lado de Cuba que não se conhecia, com certa obscenidade e sinceridade do narrador que se confunde quase sempre com o próprio autor”, explica Sérgio de Sá.

O Sangue no Alguidá, Um Olhar Desde o Realismo Sujo Latino-Americano
No Museu Nacional da República (Eixo Monumental), de 13 de junho a 6 de agosto. Classificação indicativa 16 anos. Entrada gratuita

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comEntretenimento

Você quer ficar por dentro das notícias de entretenimento mais importantes e receber notificações em tempo real?