metropoles.com

Documentário conta trajetória de Chiquinho, livreiro da UnB

Dono de uma pequena livraria no Minhocão, ele é conhecido por sugestões certeiras e conversas de igual para igual com mestres e doutores

atualizado

Compartilhar notícia

Facebook/Reprodução
Chiquinho, o livreiro
1 de 1 Chiquinho, o livreiro - Foto: Facebook/Reprodução

Nos últimos 40 anos, os estudantes da Universidade de Brasília (UnB) contam com os conselhos e indicações de leitura de Chiquinho. Dono de um espaço pequeno no Minhocão, mas abarrotado de importantes obras, ele é conhecido por sugestões certeiras e conversas de igual para igual com mestres e doutores da instituição. Tamanho valor chamou atenção do jornalista Hélio Doyle, que lança documentário sobre a vida do livreiro no dia 29 de maio, uma quarta-feira, na própria UnB.

“Nesse momento de exacerbada ignorância e anti-intelectualismo, a vida do Chiquinho é uma exaltação à leitura e a uma profissão quase extinta”, explica o diretor. Segundo Doyle, a sugestão do nome veio do seu filho e assistente de direção, Gabriel Colela. “Queríamos alguém importante, com relevância para a comunidade, mas que ainda não fosse muito conhecido. Meu filho o sugeriu como personagem e eu achei perfeito”, explica.

 

0

Ao fazer o convite para o filme, Doyle diz ter conhecido um Chiquinho diferente do expansivo vendedor de livros. “Ele é muito tímido, na dele. Tem vergonha de falar em público. No começou ficou ressabiado, mas topou participar e foi muito solícito durante as gravações”, revelou o jornalista.

Entender melhor a caminhada do piauiense radicado em Brasília desde a infância fez o diretor admirar ainda mais Chiquinho. “Ele era praticamente analfabeto quando começou a vender jornais em Sobradinho. Daí, começou a identificar os gostos das pessoas e, na hora da venda, destacava a notícia que mais interessava a cada leitor. Com isso, chegou a ganhar prêmio de melhor jornaleiro”, conta.

A opinião do comunicador é endossada pelas pessoas que se dispuseram a deixar depoimentos no documentário, como os professores do curso de arquitetura: “Chiquinho é um sonhador realmente, e ele é um sobrevivente dessas relações humanas que existiam dentro da cultura”, afirma Jaime de Almeida. “Ele tem o que falta para muita gente letrada, que é a sensibilidade. Ele é um personagem indispensável e insubstituível”, completa José Carlos Coutinho.

Confira o trailer:

Valorização da Universidade de Brasília
Para Hélio Doyle, a coincidência de lançar o longa-metragem em um momento no qual a UnB passa por uma crise – instaurada pelo corte de verbas feito pelo governo federal – traz significados ainda mais profundos à produção. “Não só debate essas questões sobre o ensino das ciências humanas como provoca reflexões sobre essas medidas”, conclui.

Pré-lançamento do documentário Chiquinho, o Livreiro da UnB
Dia 29 de maio (quarta-feira), às 18h. Na Universidade de Brasília (UnB), Anfiteatro 10, Minhocão (acesso pelo ICC Sul). Entrada gratuita

Divulgação

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comEntretenimento

Você quer ficar por dentro das notícias de entretenimento mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações