*
 

As fortes chuvas que caíram no Distrito Federal entre a noite de terça (7/11) e a madrugada de quarta (8) causaram a derrubada de 150 árvores, segundo a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap).

No fim da tarde de hoje, 20 equipes de poda atuavam em 30 pontos diferentes, sendo os mais críticos na Asa Norte e no Lago Norte. Os funcionários também estão limpando e desobstruindo bueiros. Os dados constam de balanço divulgado pelo GDF na noite desta quarta (8).

Em função do temporal, houve queda de energia em todas as regiões administrativas do DF, sendo o Lago Norte e a Asa Norte as mais afetadas. A CEB recebeu 1.421 pedidos de reparos na rede. A empresa está com 45 equipes nas ruas.

Um dos pontos atingidos foi a Estação de Tratamento de Água do Lago Norte, ocasionando a interrupção no abastecimento do Itapoã e do Paranoá. A falta de energia impulsionou a pressão de uma bomba d’água, que provocou o rompimento de uma adutora na tarde desta quarta. À noite, técnicos da Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) ainda trabalhavam na solução do problema.

Muros
Os transtornos incluíram queda de postes e de quatro muros: um em Vicente Pires e três no Jardim Botânico; o rompimento de um dique e um ônibus atolado no Sol Nascente. Também foram registrados destelhamento e alagamento de seis residências no Varjão; fissuras em uma edificação em Taguatinga; e concentração de lama nas ruas do Condomínio Porto Rico, em Santa Maria.

Por meio de nota, o GDF informou que “tem trabalhado de forma ininterrupta, desde a semana passada, em todas as regiões que sofreram estragos provocados pelas chuvas. Nas últimas 24 horas, pelo menos sete órgãos atuaram conjuntamente para garantir a liberação de vias obstruídas, a retirada de entulhos e de árvores derrubadas pelo vento e a limpeza de bocas de lobo”.

Ainda segundo o governo, a Subsecretaria de Defesa Civil vistoriou áreas nas regiões de Santa Maria, Vicente Pires, Sol Nascente, Sobradinho, Planaltina, Jardim Botânico, Taguatinga, Asa Norte e Lago Norte. Entre ontem e hoje, os telefones de emergência dos órgãos de segurança receberam 458 ligações relacionadas a ocorrências causadas pelo temporal.

Em Vicente Pires, máquinas trabalham nos condomínios afetados pelas chuvas, retirando entulhos e o excesso de terra que desceu com a enxurrada. Nesta quarta, as empresas trabalharam nas ruas 3, 3B, 4, 4C e 5, com serviços de limpeza, desobstrução das redes de drenagem e colocação de pedra rachão em alguns pontos da Rua 3B.

Militares de prontidão
O Corpo de Bombeiros está em regime de prontidão, com quatro unidades de serviço integral, 60 militares e 30 viaturas nas cidades mais afetadas. Não foi registrada nenhuma ocorrência com vítima fatal.

No Sol Nascente, uma força-tarefa criada na última sexta-feira (3) e formada por 13 órgãos tem prestado pronto atendimento à população, desobstruindo ruas e vistoriando áreas de risco.

 

 

COMENTE

alagamentotemporalchuvasestragos
comunicar erro à redação