Sindicato quer 10% de reajuste para servidores de gestão e assistência

Sindsaúde protocolou ofício na Secretaria de Economia do DF com proposta de projeto de Lei e tabelas com os novos vencimentos

atualizado 24/03/2022 21:19

Rafaela Felicciano/Metrópoles

O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília (SindSaúde/DF) protocolou um ofício, destinado ao secretário de Economia do Distrito Federal, José Itamar Feitosa, pedindo reajuste de 10% a ser concedido em duas parcelas de 5% sobre os valores de vencimento em vigor atualmente. A revisão seria para carreira de gestão e assistência pública à saúde (Gaps).

Segundo o sindicato, a intenção é readequar os valores entre o nível de escolaridade dos servidores e os respectivos salários.

A proposta de projeto de lei, acompanhado de justificativa, foi encaminhado ao chefe da pasta da Economia para que, se aprovado, seja encaminhado à Câmara Legislativa do DF (CLDF). Depois, o projeto, para valer precisaria ser sancionado pelo governador Ibaneis Rocha (MDB).

A nova carreira de GAPS foi criada pela Lei nº 6.903/2021 que modernizou os cargos da Secretaria de Saúde. O pedido da categoria é pela atualização dos salários de analistas, assistentes e técnicos em comparação com servidores de outras pastas que possuem os mesmos cargos no DF.

Segundo o documento, aposentados e pensionistas dos cargos da nova carreira também serão beneficiados, caso a lei seja aprovada e sancionada.

Para a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, é justo que os servidores da Saúde tenham salários reajustados. “É digno que os servidores da carreira de Gestão e Assistência Pública à Saúde tenham seus vencimentos reajustados em 10%. Estes trabalhadores esperam muitos anos para que suas carreiras sejam reconhecidas, não só com palmas nas janelas, mas com gestos concretos de valorização que impactarão na renda de seus lares”, destaca.

Mais lidas
Últimas notícias