*
 

Filho do ex-distrital Raad Massouh, Raad Jr. (PSDB) aparece em vídeo gravado por policiais militares, durante uma abordagem, admitindo ter fumado maconha. Ele foi preso numa blitz da PM em 10 de setembro, em Planaltina, por porte ilegal de arma de fogo.

No vídeo, Raad Jr., que é candidato a deputado distrital, aparece algemado e sentado no chão, enquanto é questionado por uma policial sobre o uso da droga.

[Raad] — A gente usou lá, quando a gente estava lá na cachoeira.

[PM] — Fumar maconha não é crime?

[Raad] — Eu não sei, senhora, ontem a gente usou… A gente não está usando.

[PM] — Você quer concorrer a um cargo da política, um cargo do Estado, e você não sabe que usar maconha é crime?

[Raad] — Senhora, eu juro que eu não sei, não teve maldade.

[PM] — Ah, tá bom!

Veja as gravações:

 

Arma e prisão em flagrante
De acordo com a ocorrência registrada na 31ª Delegacia de Polícia (Planaltina), o jovem político estava em um carro modelo Jetta de cor branca quando foi parado em blitz na DF-345, Km 10, às 19h40. Raad Jr. estava com dois rapazes e uma moça. Todos apresentaram a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) aos militares.

Durante a abordagem, a Polícia Militar localizou quatro munições de calibre .32 no console central do carro. Os agentes questionaram se havia armas no automóvel, e os jovens negaram. Durante a revista no porta-malas do veículo, entretanto, os PMs encontraram uma mochila de cor preta contendo pistola calibre .380 com 17 munições e uma outra, de ar comprimido, conhecida como airsoft.

Ao chegar na 31ª DP, o delegado arbitrou fiança de R$ 1 mil a Raad Jr., que pagou o valor e foi colocado em liberdade. Com relação às drogas, o outro envolvido foi autuado por porte de substância para consumo pessoal. Ele assinou um termo de compromisso e também acabou solto. As armas e porções de entorpecentes foram apreendidas.

Outro lado
Ao Metrópoles, o ex-parlamentar e pai de Raad Jr. explicou que todas as segundas-feiras viaja com a família até a Serra da Mesa para descansar da agenda de campanha do filho. “Nós não cometemos crime algum, na minha concepção foi um erro. Não estávamos armados, bêbados ou fazendo algazarra. O único erro que cometi foi colocar a arma dentro de uma mochila que acabou sendo transportada na mala do carro onde estava o meu filho”, explicou.

Raad Massouh ressaltou, ainda, que comprou a pistola há mais de 20 anos e possui porte. “A documentação existe e está em processo de renovação. Meu filho [nem] sequer estava dirigindo o carro e não fazia ideia de que a arma estava na mala. Nesse momento, até me sinto culpado pelo o que está acontecendo”, lamentou.

Segundo o rapaz, ele estava dormindo no banco de trás do carro quando recebeu ordem de parada. “Quando vi, já estava algemado e jogado no chão, eu sofri uma exposição da minha imagem. Quando viram adesivos de campanha no carro foi que começou a chacota, feito pela mesma pessoa que gravou e divulgou o vídeo”, narra.

 

 

Na versão do aspirante a distrital, a policial que o questiona nas imagens, identificada apenas como Soldado Bahia, utilizou uma lanterna em uma mão – com o objetivo de ofuscá-lo – e gravou o candidato confessando ter fumado maconha. Segundo ele, a agente o coagiu e o obrigou a dizer algumas frases. Afirmou, também, que os vídeos foram cortados para serem descontextualizados. Uma das gravações tem 22 segundos e a outra, sete.

O candidato também alega que a policial fez uma ligação para um contato – chamado por ela de “Papai” durante a conversa – e perguntou se ele teria interesse nas imagens. “Essa pessoa está tentando veicular a minha imagem ao uso de drogas, com o objetivo”.

Versão da PM
A Polícia Militar divulgou uma nota reconhecendo que trata-se de uma arma registrada em nome de Raad Massouh e, por isso, o filho do ex-distrital foi autuado por omissão de cautela, quando deixa de tomar os cuidados necessários a respeito da posse de uma arma de fogo.

A nota destaca ainda que não foram encontradas drogas com Raad Júnior. A corporação, no entanto, não comentou a respeito da gravação e vazamento dos vídeos, nem sobre o procedimento adotado na abordagem.