DF: Secretaria de Saúde confirma quarta morte por dengue em 2019

São Sebastião é a cidade com o maior número de casos da doença, com índice de 391 por 100 mil habitantes

Venilton Kuchler/ANPrVenilton Kuchler/ANPr

atualizado 18/03/2019 20:46

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) confirmou a quarta morte por dengue em 2019. A informação consta no informativo epidemiológico divulgado pela pasta nesta segunda-feira (18/3). A vítima mais recente morreu no dia 17 de fevereiro, no Itapoã. O dado não estava em boletins anteriores, pois óbitos suspeitos são submetidos a diversos exames.

O primeiro registro de morte ocorreu em 10 de janeiro, em Planaltina. A doença também fez vítimas em São Sebastião, em 28 de janeiro, e Taguatinga, em 30 de janeiro. No mesmo período de 2018, a SES-DF registrou apenas um óbito. O caso do produtor cultural Diogo Mateus Gomes Gama, que perdeu a vida em 2 de março, não entra nas estatísticas, pois ainda não foi confirmado que se tratava de dengue.

O número de casos de dengue cresceu 76% em apenas uma semana. No informativo epidemiológico divulgado pela pasta no dia 11 de março, eram 1.928. O boletim semanal divulgado nesta segunda (18) mostra 3.400 notificações de pessoas infectadas pelo vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

O comparativo de casos prováveis entre o mesmo período de 2018 e 2019 mostra que neste ano houve um aumento de quase cinco vezes em relação ao anterior.

São Sebastião é a região mais preocupante, onde foram registrados 391 casos por 100 mil habitantes em fevereiro. Cidade Estrutural, Paranoá, Brazlândia e Núcleo Bandeirante também apresentam alta incidência da doença e infestação do mosquito. Nessas regiões administrativas, a variação é entre 120 e 230.

Até o dia 26 de fevereiro, o DF havia registrado 25 casos prováveis de chikungunya e 90 notificações suspeitas de zika, que acabaram descartadas.