Psicopedagogo é preso por estuprar criança em consulta na Asa Norte

O profissional de 65 anos se aproveitava da função para abusar sexualmente a menina, durante atendimento no consultório

atualizado 01/04/2021 19:19

Divulgação PCDF

Investigadores da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prenderam preventivamente um psicopedagogo de 65 anos acusado de estuprar uma de suas pacientes, de apenas 9 anos. O suspeito estava foragido desde 2019, quando o inquérito foi instaurado. Ele teria violentado a criança entre 2016 e 2018.

O abusador foi localizado em João Pessoa, na Paraíba, na terça-feira (30/3). O homem foi trazido da capital paraibana e já está na carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE). De acordo com as investigações, o profissional se aproveitava da profissão para cometer o abuso sexual, beijando a boca e passando as mãos nas partes íntimas da vítima, durante as consultas realizadas em seu consultório, na Asa Norte.

Pela natureza do atendimento psicopedagógico, os pais acompanhavam uma parte da consulta e, em outra, eram orientados a deixar a criança conversar sozinha com o profissional. Em razão da Lei de Abuso de Autoridade, a PCDF não informou o nome do detento. O suspeito mantinha um consultório voltado para o atendimento infantil.

O Metrópoles teve acesso, em primeira mão, aos detalhes da apuração. Os policiais da DPCA realizaram um intenso trabalho de inteligência para encontrar o suspeito, que havia fugido para o Nordeste. A investigação apontou que o psicopedagogo abusou sexualmente da menina ao longo de várias consultas.

Sem suspeitas

O homem atendia famílias de classe média e nenhum dos pais suspeitava dos crimes. A menina violentada aos 9 anos só revelou ter sido alvo dos abusos três anos depois, aos 12 anos, quando foi ouvida na DPCA e as investigações tiveram início.

Segundo a delegada chefe da especializada, Simone Pereira da Silva, a prisão foi o desfecho de um trabalho intenso para materializar os crimes praticados pelo profissional. “As investigações concluíram que o crime de estupro de vulnerável era cometido pelo suspeito e a ordem de prisão preventiva foi cumprida após um grande trabalho de inteligência”, resumiu.

As apurações ainda contaram com o apoio da Polícia Civil da Paraíba (PCPB) e do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado do Ministério Público da Paraíba (Gaeco/MPPB). Se for condenado pelo estupro de vulnerável, o suspeito poderá cumprir uma pena que varia de 8 a 15 anos de prisão.

Últimas notícias