Primeira Turma do STF forma maioria para manter condenação de Arruda

Toffoli interrompeu o julgamento sobre o caso de falsificação em recibos de doações, sem data para retomá-lo

atualizado 05/05/2021 9:29

Ex-governador do DF, José Roberto ArrudaDaniel Ferreira/Metrópoles

Após a Primeira Turma formar maioria pela condenação, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, pediu vista no processo em que o ex-governador do DF José Roberto Arruda é acusado de falsificar recibos para justificar doações durante sua campanha ao cargo máximo do Executivo local.

O processo trata de irregularidades apontadas no âmbito da Operação Caixa de Pandora, que apontou um dos maiores esquemas de corrupção na capital do país e levou o primeiro governador da capital à prisão, em 2009.

Durante a 7ª Sessão Ordinária da Primeira Turma do STF, realizada nesta terça-feira (4/5), o relator do caso, ministro Marco Aurélio, proferiu voto indeferindo habeas corpus à defesa do ex-governador. Ele foi acompanhado, com ressalvas quanto ao conhecimento, pelos ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.

O voto da ministra Rosa Weber que, preliminarmente acompanhou o relator após votação do mérito. No entanto, Toffoli pediu vistas dos autos. Isso significa que ele analisará o caso por mais tempo antes de dar seu voto. Não há um novo prazo para votação.

escândalo da Caixa de Pandora apontou um dos maiores esquemas de corrupção já vistos no DF. A operação se passou em 2009. Uma série de vídeos vieram à tona e depoimentos foram prestados apontando indícios de corrupção durante a campanha eleitoral que levou Arruda ao poder.

 

Últimas notícias