*
 

O desabamento de viaduto no Eixão Sul próximo à Galeria dos Estados teve repercussões políticas na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). Enquanto distritais da oposição usaram a tribuna para atacar o GDF, governistas saíram em defesa da gestão Rodrigo Rollemberg (PSB).

Parlamentares criticaram a falta de medidas preventivas e de reparos, e pediram providências “urgentes” para que desastre semelhante não se repita em outras localidades do Distrito Federal.

O primeiro a falar foi o deputado Wellington Luiz (MDB), quem, além de subir o tom contra Rollemberg, cobrou mobilização dos colegas. Ele sugere que a Câmara capitaneie fiscalizações DF afora. “Não adianta ficar criticando se não tomarmos uma atitude. Se não fizermos nada, seremos coniventes com essa tragédia.”

Já o líder do governo na Casa, Agaciel Maia (PR), saiu em defesa de Rollemberg, afirmando que a falta de manutenção foi decorrente da escassez de recursos.

“O governo não fez a manutenção dos viadutos porque, em três anos e meio, não tinha dinheiro para o pagamento nem da limpeza dos hospitais. Para cobrar, esta Casa tem que dar condições para que o governo trabalhe, como temos feito, aprovando recursos”, disse Agaciel.

O discurso foi criticado pelos colegas, que atacaram a chamada política do “economismo” do governo ao deixar de tomar medidas preventivas. “O GDF tanto economizou que agora vai gastar mais, pois todos sabemos o quanto custa uma obra desse porte”, afirmou Wellington.

Chico Vigilante (PT) também rebateu o líder governista. Segundo disse o petista, na gestão passada, havia recursos para reparos e um cronograma de reformas, que começaram na Rodoviária do Plano Piloto. No entanto, acrescentou, o governo Rollemberg não deu continuidade aos trabalhos.

TCDF
Conforme destacou Raimundo Ribeiro (PPS), o próprio Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) já havia avisado ao Executivo sobre os riscos da queda do viaduto que desabou nesta terça (6). Agora, o parlamentar vai sugerir à Mesa Diretora uma ação conjunta com o GDF para tentar auxiliar a resolução das consequências da queda.

Rodrigo Delmasso (Podemos) estendeu a culpa pela falta de manutenção ao governo anterior, de Agnelo Queiroz (PT). O parlamentar destacou que a vistoria feita pelo TCDF foi realizada em 2012 e, mesmo assim, não houve preocupação em empreender manutenções nos pontos identificados pela Corte.

O deputado Cláudio Abrantes (sem partido) aproveitou para alertar: “Nenhuma obra cai sem aviso. Isso é o que dizem os principais especialistas do mundo. Esse viaduto já estava avisando que cairia há algum tempo”.

Comissão da mobilidade
Os deputados ainda sugeriram à Mesa Diretora a criação de uma comissão responsável por fiscalizar a mobilidade no Distrito Federal – o que incluiria os viadutos e as vias das cidades.