Os bastidores da cobertura policial de um jeito que você nunca viu

Em ação contra desvios na saúde, PF acha dinheiro em mochila infantil

Organizações sociais investigadas movimentaram valores superiores a R$ 1,1 bilhão só no estado de São Paulo, segundo a Polícia Federal

atualizado 28/09/2022 9:29

PF/Divulgação

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta quarta-feira (28/9), a Operação Help, para combater o desvio de recursos públicos federais destinados à área da saúde e a ocultação de movimentações financeira de origem ilícita. A corporação informou que as organizações sociais investigadas movimentaram, só no estado de São Paulo, valores superiores a R$ 1,1 bilhão, sendo mais de R$ 350 milhões em verbas federais.

As investigações demonstraram a existência de um esquema estruturado, voltado à criação e à manutenção de organizações sociais e empresas de fachada, com uso de “laranjas” para desvio de verbas públicas federais.

Há evidências, segundo a PF, de que diversos empresários e respectivas famílias usavam um sistema voltado para o superfaturamento e o desvio de valores destinados a unidades de atendimento médico e a serviços de saúde do município de Pirajuí (SP).

Assista ao momento da apreensão do dinheiro:

Informações levantadas pela Controladoria-Geral da União (CGU) revelaram, ainda, a possibilidade de o esquema não se restringir à cidade e ter se alastrado para dezenas de outras cidades do estado de São Paulo, bem como de outras unidades federativas.

As investigações continuam, e os envolvidos poderão, em tese, ser responsabilizados pelos crimes de organização criminosa, peculato, falsidade ideológica, uso de documento falso e fraude em licitações.

Aproximadamente 130 policiais federais cumprem 29 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), em endereços nas cidades paulistas de Pirajuí, Reginópolis, Avaí, Ribeirão Pires, Diadema, São Caetano do Sul, Embu das Artes, São Bernardo do Campo, São Paulo e Santos.

A ação teve apoio da Superintendência Regional da CGU em São Paulo e da Procuradoria Regional da República da 3ª Região (PRR-3).

Também foram expedidas ordens para sequestro de bens dos investigados; de restrições societárias — como a proibição de movimentações empresariais —; bem como para impedimento de transferências de bens móveis e imóveis comprados com os produtos dos crimes investigados.

Mais lidas
Últimas notícias