MPDFT aponta falta de mobilidade na Rodoviária do Plano Piloto

Grupo fez inspeção no terminal e verificou problemas na ciclovia e calçadas

atualizado 14/02/2020 18:12

MPDFT/DIvulgação

Representantes da Rede de Promoção da Mobilidade Sustentável e do Transporte Coletivo (Rede Urbanidade) realizaram, nessa quinta-feira (13/02/2020), inspeção na Rodoviária do Plano Piloto. O objetivo foi verificar as condições de infraestrutura e acessibilidade do local.

O terminal instalado no centro da capital foi escolhido como primeiro local de atuação devido ao grande número de usuários e de seu caráter estratégico para o sistema de mobilidade do Distrito Federal. Por lá, passam diariamente 700 mil pessoas. O resultado da vistoria será transformado em relatório, que subsidiará a atuação da rede.

Elevadores e escadas rolantes quebrados, banheiros deteriorados, caixas de incêndio sem mangueiras, falta de bicicletário e de conexão com as ciclovias das proximidades, sinalização precária, presença de ambulantes em locais de circulação, transporte pirata e precariedade das calçadas no entorno da rodoviária foram alguns dos problemas identificados.

O promotor do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) Dênio Augusto de Oliveira e três peritos acompanharam a vistoria.

Trabalho conjunto

A Rede Urbanidade, criada em novembro de 2019, é uma iniciativa da Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística (Prourb) do MPDFT em parceria com estudiosos e representantes de associações e entidades que se dedicam à causa da mobilidade urbana sustentável.

“O objetivo principal do grupo é unir forças em prol do aperfeiçoamento do sistema de mobilidade urbana do Distrito Federal, que tanto interfere na qualidade de vida da população, contribuindo para a construção de um sistema mais eficiente, justo, inclusivo e ecologicamente sustentável”, explica o promotor Dênio Augusto de Oliveira.

Outra frente de trabalho será nas discussões relacionadas à revisão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT) e do Plano Diretor de Transporte Urbano e Mobilidade do Distrito Federal (PDTU). Estão previstas, ainda, iniciativas voltadas para a sensibilização da sociedade em relação ao tema e a fiscalização do cumprimento da legislação.

O GDF iniciou as obras de conserto das escadas rolantes e elevadores da Rodoviária no fim de janeiro. O serviço custará R$ 1,8 milhão. A previsão de conclusão dos reparos é de 90 dias. O contrato prevê serviço de manutenção por um ano.

Últimas notícias