Justiça adia julgamento de travestis acusadas de matar colega

Assassinato teria sido motivado pela briga por pontos de prostituição. Crime ocorreu em janeiro de 2017

Facebook/Reprodução

atualizado 17/02/2020 20:09

A Justiça do Distrito Federal adiou para 23 de março o julgamento das travestis acusadas de matar Ágatha Lios (foto em destaque). O trâmite estava previsto para ocorrer nesta segunda-feira (17/02/2020), mas foi remarcado após as defesas dos réus alegarem que não haviam tido acesso às mídias anexadas ao processo.

O Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) pediu a manutenção da data original do julgamento. No entanto, o Tribunal do Júri de Taguatinga optou pelo adiamento para “resguardar o devido processo legal e para que não haja eventual alegação de cerceamento de defesa”, conforme informado pelo Tribunal de Justiça (TJDFT).

O crime ocorreu em janeiro de 2017 e será analisado por júri popular. Serão julgados os réus Daniel Ferreira Gonçalves – nome social Carolina Andrade ou Carol; Deyvisson Pinto Castro (Lohanny Castro); Greyson Laudelino Pessoa (Bruna Alencar); Francisco Delton Lopes Castro (Samira), e Letícia Oliveira Santos, que é acusada de ser a mandante do crime.

O homicídio de Ágatha aconteceu no final da tarde de 26 de  janeiro de 2017, dentro do Centro de Distribuição dos Correios, que fica no Setor G Sul, em Taguatinga, onde ela fazia ponto.

De acordo com denúncia do Ministério Público, os acusados, fazendo uso de “instrumentos perfuro-cortantes”, golpearam a vítima até a morte. O assassinato teria ocorrido, supostamente, em decorrência da disputa pelo ponto de prostituição.

Na época, o Metrópoles noticiou a guerra pelos pontos de prostituição na região do setor industrial de Taguatinga Sul. Na ocasião, a reportagem conversou com uma travesti que detalhou o esquema de exploração sexual liderado por cafetões e traficantes.

O crime ocorreu dentro de uma central de distribuição dos Correios, próximo ao local onde ela costumava fazer ponto.

Registrada como Wilson Julio Suzuki Júnior, Ágatha morreu após levar golpes de facão. Filmado pelas câmeras de segurança, o assassinato foi motivado por inveja, vingança e disputa por ponto de prostituição.

Toda a investigação foi conduzida pela Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual, ou Contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin).

Fotos de Ágatha Lios:

0

Duas das suspeitas de matar Ágatha, Carolina Andrade e Lohanny Castro, fugiram do DF e foram presas após assaltarem um homem em Manaus (AM). De acordo com informações da Polícia Civil do estado, elas roubaram o cliente na Rua das Missões, no bairro Colônia Terra Nova, zona norte da cidade.

Segundo informações que constam no Boletim de Ocorrência, a dupla agiu com violência e levou R$ 500, óculos, relógio, cordão e o celular do homem, após uma discussão devido a um programa sexual. O dinheiro estava escondido nos ânus das suspeitas.

Últimas notícias