Ibaneis rechaça pressão de categorias por vacina: “Não será assim”

O chefe do Executivo ainda ressaltou que espera ter entre 70% e 80% da população do DF vacinada conta a Covid-19 até outubro deste ano

atualizado 11/05/2021 17:36

O governador Ibaneis Rocha (MDB) afirmou, neste domingo (9/5), que não aceitará pressões vindas de qualquer categoria que exija a imunização imediata contra a Covid-19. O emedebista comentou sobre as estratégias de combate à pandemia durante 1h45 de entrevista concedida à rádio Metrópoles. O chefe do Executivo local ainda ressaltou que espera ter entre 70% e 80% da população do Distrito Federal vacinada contra o novo coronavírus até outubro deste ano.

Após categorias como a dos rodoviários, que paralisaram boa parte do efetivo responsável pelo transporte público coletivo, e dos professores, que fazem manifestações constantes reinvindicação a vacinação, Ibaneis garantiu que o GDF permanecerá seguindo as diretrizes estipuladas pelo Plano Nacional de Imunização (PNI).

O governador ressaltou que o categorias que trabalham em locais onde há uma maior exposição e risco seguem tendo preferência e todas serão atendidas conforme a programação.

“Eu vou cumprir rigorosamente o cronograma que está estabelecido no PNI e aquelas categorias que a gente der conta de ir atendendo, vamos atender. Agora, eu não posso me submeter a nenhum tipo de pressão por vacina, porque senão todo mundo vai entrar em greve nessa cidade querendo vacinar”, disse.

Ibaneis indicou que espera vacinar os professores, para confirmar a expectativa de retomar o ano letivo presencial no segundo semestre deste ano e, na sequência, os rodoviários. “Tudo depende do envio de doses ao DF”, ponderou.

Professores

Ibaneis ressaltou que espera ter as escolas públicas funcionando em agosto deste ano. O objetivo do GDF é vacinar todos os professores entre junho e julho. O planejamento, de acordo com o governador, envolve também os alunos da rede.

“Nós estamos tratando de milhares de crianças afastadas presencialmente das escolas. Nós sabemos dos inúmeros problemas psicológicos que isso acarreta. Então, é uma questão de saúde social e o tempo que essas crianças estão perdendo fora das escolas também vai ter um impacto muito grande na vida futura delas. Por conta disso, esperamos normalizar as aulas presenciais em breve”, destacou.

O governador ainda lembrou a inauguração do primeiro dos três novos hospitais de campanha para atender pacientes infectados pela Covid-19. A unidade, instalada no Gama, conta com 100 leitos de unidades de cuidados intermediários (UCI) e começou a funcionar na sexta-feira (7/5).

Últimas notícias