Exercito faz a limpeza da estação do metro contra o corona virus

Gráfico mostra em quais cidades do DF o coronavírus avança mais

De acordo com levantamento feito pelo Metrópoles, Covid-19 começa a avançar em regiões mais carentes da capital e distantes do Plano Piloto

atualizado 13/04/2020 9:20

Exercito faz a limpeza da estação do metro contra o corona virusMichael Melo/Metrópoles

Apesar de o Plano Piloto ainda ser o local do Distrito Federal com a maior quantidade de casos, o coronavírus está ganhando espaço nas regiões administrativas afastadas do centro de Brasília. As maiores taxas de crescimento da Covid-19, segundo o mais recente boletim da Secretaria de Saúde, foram verificadas em Ceilândia, Santa Maria e Taguatinga.

O levantamento foi realizado pelo (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles.

A RA com a maior quantidade de infectados ainda é o Plano Piloto, com 166 pessoas diagnosticadas. Em seguida, Águas Claras (64) e Lago Sul (62).  As três localidades estão entre as que têm a maior renda média no Distrito Federal. Isso acontece porque o coronavírus é importado, ou seja, os primeiros casos da Covid-19 surgiram em pessoas que chegaram do exterior.

Aos poucos, entretanto, o cenário está mudando. Em Ceilândia, a quantidade de infetados com a Covid-19 confirmados passou de 3 no primeiro dia de abril para 20 nesse domingo (12/04). Em Taguatinga, eram apenas 7 contaminados no começo do mês. Agora, são 20.

Santa Maria, que não apresentava casos na data, passou a contabilizar 7 ocorrências. Cenário parecido verificou-se no Gama, que aumentou de cinco para 19 infectados em apenas 12 dias.

O gráfico abaixo permite fazer a comparação entre a quantidade de casos de coronavírus em todas as RAs do DF. Digite as regiões escolhidas na caixa designada:

 

Correlação entre renda e casos

A correlação calcula o quanto duas variáveis têm movimentos similares: quando uma cresce, a outra também; ou o oposto: quando uma cai, a outra sobe, o que é chamado de correlação negativa. Correlações não indicam causalidade, elas exploram as relações entre duas medidas.

A reportagem analisou dois componentes: a renda média e a quantidade de casos por região administrativa. Quanto mais perto de um, mais correlacionada estão as duas medidas. Quanto mais próximo de zero, menor a correlação. O resultado entre RAs e a quantidade de infectados por coronavírus em 100 mil habitantes é de 0,81 para o dia 11 de abril.

 

Essa correlação, entretanto, vem diminuindo. Visto que o objetivo é verificar o crescimento da quantidade de infectados em cada RA e não a incidência em cada localidade, foram utilizados o número de casos absolutos.

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal começou a publicar o número de infectados por coronavírus por região administrativa em 26 de março. Na ocasião, a correlação entre a quantidade de casos e a renda média na RA era de 0,74. Em 5 de abril, a mesma correlação era de 0,66. Isso indica que a doença está crescendo mais em cidades com menor renda média.

Para o infectologista Leonardo Weissmann, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), há uma preocupação com o fato de a doença estar se espalhando e atingindo todos os extratos socioeconômicos da população.

“Precisamos considerar que, em muitos lugares, falta água e sabão para a lavagem das mãos. Dificilmente a doença não chegará nas regiões mais pobres do país”, pontuou.

Números do DF

O DF contabilizava 618 pessoas infectadas e 14 mortes por coronavírus até a tarde desse domingo (12/04). Há 56 pacientes internados e 33 estão em unidades de terapia intensiva (UTIs).

Na capital do país, a maior parte dos setores do comércio está proibida de funcionar pelo menos até 3 de maio. As aulas presenciais nas escolas públicas e particulares também não podem voltar antes de 31 de maio, segundo decreto do GDF.

 

 

 

Últimas notícias