GDF vai abrir novos postos de vacinação para professores contra Covid

Segundo o secretário da Casa Civil, Gustavo Rocha, a logística será alterada quando chegarem novas doses da vacina, enviadas pelo Ministério

atualizado 31/05/2021 17:00

Vacinação de professores no GuaráHugo Barreto/Metrópoles

Após a vacinação contra Covid-19 dos profissionais da educação da rede privada ficar suspensa nesta segunda-feira (31/5), professores pedem que o GDF amplie o número de postos de imunização disponíveis para a categoria. Atualmente, funcionários de creches e escolas precisam se dirigir à UBS 1, no Guará, onde funciona o único ponto de imunização destinado à categoria.

Em coletiva de imprensa na tarde desta segunda-feira (31/5), no Palácio do Buriti, o secretário da Casa Civil, Gustavo Rocha, disse que novos pontos de vacinação serão abertos e professores poderão ser imunizados nos postos próximos às respectivas residências, quando chegarem novas doses, encaminhadas pelo Ministério da Saúde.

“Esse foi um dos motivos pelos quais a vacinação foi suspensa no dia de hoje. A campanha foi direcionada para um posto e após esses dias verificou-se que colocar a vacinação espalhada em outros postos seria mais eficaz, e até mais cômodo para os profissionais. E assim será feito”, disse.

De acordo com a Secretaria de Educação, a justificativa para a interrupção foi a quantidade insuficiente de doses na UBS 1 do Guará I nesta tarde. Na coletiva desta segunda-feira, o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, disse que as 5 mil doses destinadas a essa categoria já foram aplicadas. As novas aplicações só serão feitas com a chegada de nova remessa.

Durante a manhã, de acordo com a Secretaria de Educação, foram vacinadas aproximadamente 600 pessoas. Porém, por um problema de logística, não houve quantidade suficiente de vacinas na parte da tarde na UBS 1 do Guará l.

Para esta tarde, estava prevista a imunização de outras 400 pessoas do Plano de Vacinação da Educação. Estas serão remanejadas para outros dias.

O GDF quer vacinar professores, gestores e profissionais da educação com urgência para que as aulas possam ser retomadas até agosto. A rede pública de ensino do DF mantém o estudo remoto devido a pandemia do novo coronavírus desde abril de 2020. A rede privada abriu as portas para o ensino híbrido e também tem seus profissionais vacinados.

Conforme a diretora do Sindicato dos Professores do DF (Sinpro-DF), Rosilene Corrêa, a entidade deve reunir-se com a Educação nesta semana para debater a vacinação dos profissionais. “Nós temos recebido essas ponderações da categoria e a gente deve ter uma reunião amanhã (1º/6) ou depois, com a Secretaria de Educação, onde faremos uma avaliação do que foi [a vacinação] até aqui e certamente isso [local de imunização] estará na nossa pauta”, informou ao Metrópoles.

Rosilene ressalta, porém, que o foco principal do Sindicato neste momento é buscar a garantia de continuidade na campanha voltada para os educadores. “A preocupação que todo mundo teve foi de garantir o início [da imunização de profissionais da Educação]. Se centralizar em um único posto iria facilitar, não tinha como nós sermos contrários a isso nesse primeiro momento. Então, estamos ainda na batalha por vacinas, ainda que em um único ponto, mas que tenhamos vacinas”, diz.

“A nossa preocupação nesse momento é inclusive com relação a isso, porque nós não tivemos confirmação de destinação de vacinas para a Educação nessa remessa que o GDF anunciou estar recebendo […] Que não havia, até sábado, confirmação de nenhuma para a Educação e esse acho que é o ponto principal que precisamos centrar as nossas energias”, enfatiza a diretora do Sinpro.

Últimas notícias