Falar de reajuste diferenciado à PCDF é “falsa narrativa”, diz Sinpol

Posicionamento do Sinpol-DF veio após o ex-deputado Alberto Fraga dizer que falou com Jair Bolsonaro sobre aumento para forças de segurança

atualizado 03/04/2022 18:26

Sinpol/Divulgação

Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol-DF) classificou como “falsa narrativa” a fala do ex-deputado federal Alberto Fraga (PL) que afirmou estar preocupado com o que chama de “reajuste diferenciado” proposto pelo GDF à PCDF em relação à Polícia e ao Corpo de Bombeiros Militar. Segundo a entidade que representa a categoria, os aumentos diferenciados visam chegar a um valor líquido em comum.

Conforme explica o presidente do Sinpol, Alex Galvão, as corporações são alvo de cobranças de impostos distintas em partes do salário, também distintos. Por este motivo, ele diz, o reajuste total precisa ser maior ou menor para um dos lados, mas, no final, todos receberão aumento de 10%.

De acordo com Galvão, caso o presidente Jair Bolsonaro (PL) tenha realmente afirmado a Fraga que não deve encaminhar a medida provisória da forma como foi proposta pelo GDF, houve uma falha na análise da matéria. “O presidente pode estar mal-informado, pois esse acordo foi alcançado após muita conversa. A gente espera que o GDF se manifeste a favor do que foi enviado”, diz.

Veja um vídeo gravado por Alex Galvão:

Fraga diz que Bolsonaro não dará reajuste diferenciado à PCDF

A declaração do coronel da reserva da Polícia Militar (PMDF) ocorreu por meio de um vídeo disparado em redes sociais. Segundo ele, houve diferença nos benefícios concedidos às forças de segurança do DF.

“Policiais e bombeiros militares: hoje é sábado e acabei de conversar com o presidente Bolsonaro. Externei a minha preocupação com relação a esse reajuste diferenciado para a Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. Ele me garantiu que a medida provisória quem faz é ele e que não vai encaminhar nenhum aumento de forma diferenciada”, iniciou.

“Disse a ele que quem vota em Bolsonaro são os policiais, bombeiros militares. E é isso que nós estamos acreditando, que Bolsonaro não vai nos decepcionar. Por isso, o resto é conversa. Vamos aguardar a medida provisória para que a gente possa finalmente ter uma decisão”, disse.

Veja o vídeo:

Mais lidas
Últimas notícias