Os bastidores da cobertura policial de um jeito que você nunca viu

Ibaneis assina proposta de recomposição salarial a forças de segurança

Em solenidade no Palácio do Buriti, Ibaneis confirmou ter enviado à União a demanda de reajuste de 10% na remuneração das forças do DF

atualizado 15/03/2022 16:06

O governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB) em cerimônia no Buriti para assinatura de proposta de recomposição salarial a forças de segurança. Ele discursa num pulpito - Metrópoles

O governador Ibaneis Rocha (MDB) anunciou, na manhã desta terça-feira (15/3), a proposta de recomposição salarial das forças de segurança do DF. Durante solenidade no Palácio do Buriti, o chefe do Executivo local confirmou o encaminhamento da demanda à União. Segundo ele, a solicitação de reajuste enviada ao governo federal prevê aumento de 10%.

“Ainda não é o que queríamos. Gostaríamos de dar reajuste a todos os servidores do Distrito Federal”, disse o chefe do Executivo local. “Não vou dar a data de hoje como missão cumprida. Vou trabalhar junto a vocês para que a gente alcance essa vitória”, completou.

O impacto nos cofres públicos para a concessão da recomposição salarial para as polícias Militar do Distrito Federal (PMDF) e Civil do DF (PCDF), além do Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), será de R$ 800 milhões. “O reajuste que está sendo proposto ao presidente da República cabe no nosso orçamento, deste e do próximo ano, para que a gente não frustre os pagamentos, como acontece em outras unidades da Federação”, frisou Ibaneis.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

Além do governador e de outras autoridades, participaram da solenidade o presidente da Câmara Legislativa do DF (CLDF), Rafael Prudente, e o secretário de Segurança Pública do DF, Júlio Danilo.

“O pagamento será linear, de 10%. Para ser pago a partir de julho deste ano”, explicou o chefe da SSP-DF, Júlio Danilo.

“Nos próximos anos, vamos trabalhar também, dando sequência a essa recomposição, para que cheguemos ao ideal, que é uma remuneração digna a todos vocês. Eu estando aqui no Palácio ou não, vou continuar apoiando a causa das polícias e dos bombeiros do DF. Pela primeira vez na história, vi a união das forças de segurança, o que nos deu paz para trabalhar”, ressaltou.

Na ocasião, o governador Ibaneis anunciou, ainda, que os policiais civis do DF e seus dependentes poderão ingressar no plano de saúde do GDF.

“Essa conquista é uma correção de uma injustiça que tanto prejudicou a qualidade de vida dos policiais civis durante todos esses anos. A recomposição salarial não veio como esperávamos, pois o que a categoria almeja é que sejamos incluídos na reestruturação das polícias federais. A nossa luta, agora, é garantir que essa porcentagem proposta pelo GDF seja aprovada no governo federal”, afirmou o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol-DF), Alex Galvão.

Salário defasado

Em janeiro deste ano, a coluna divulgou que, sem a esperada recomposição salarial, delegados da PCDF seguem caindo no ranking nacional de remuneração da categoria. Levantamento feito pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) aponta que os policiais da capital federal estão atrás de 13 estados em relação ao salário. Atualmente, a remuneração bruta no DF é de R$ 18,1 mil.

A corporação está defasada até mesmo em comparação aos colegas vizinhos, do estado de Goiás. Os delegados que atuam nos municípios goianos ocupam o terceiro lugar na tabela, com salário inicial de R$ 21,6 mil. Os maiores vencimentos são em Mato Grosso, onde os policiais começam a carreira ganhando R$ 24,9 mil. A última posição é ocupada por São Paulo, com R$ 10 mil.

Mais lidas
Últimas notícias