“É uma perda para a sociedade”, diz comandante em adeus a PM morto no DF

Familiares, amigos e colegas de farda do soldado Walisson acompanharam o enterro nesta quarta-feira. Militar foi vítima de latrocínio

atualizado 18/11/2020 11:50

PMDF/Reprodução

Entre comoção, revolta e tristeza, familiares, amigos e colegas de farda do policial militar Walisson Holanda Fernandes, 28 anos, morto na porta de casa, em Ceilândia, após reagir a um assalto, dão o último adeus ao soldado, na manhã desta quarta-feira (18/11).

O velório começou às 9h, no Cemitério Campo da Esperança de Taguatinga. Por volta das 10h40, iniciou-se o cortejo até o local do enterro. Individualmente os policiais prestaram continência durante o cortejo fúnebre. No momento do sepultamento, às 11h, o soldado foi homenageado com salva de palmas. As sirenes dos veículos da PMDF e do CBMDF foram acionadas.

0

O comandante do 20° Batalhão de Polícia Militar (BPM), tenente-coronel Costa Reis, lamentou a perda de um “bom policial”. “Ele estava lotado no batalhão há 9 meses. Apesar do pouco tempo, só tínhamos elogio sobre a conduta dele. É uma perda não só para a Polícia Militar, mas para toda a nossa sociedade”, afirmou.

Veja imagens do sepultamento:

 

Amiga da vítima, Marina Santana Nunes, 18, disse que Walisson era muito companheiro. “Estudou para ser policial, e ele sempre me ajudou.Sempre foi um profissional muito correto e exemplo para todo mundo. Ele era muito brincalhão. É uma perda para a sociedade inteira. Só temos a agradecer por esses anos que ele ficou na corporação, batalhando e defendendo a vida de quem ele não conhecia. Esses policiais saem de casa todos os dias, deixam suas famílias,para defender vidas e não recebem o reconhecimento”, defendeu Marina.

O crime

O latrocínio (roubo com morte) aconteceu na casa do militar, na QNP 17. Ele foi ferido e levado para o HRC inconsciente e em estado grave, não resistiu e morreu alguns minutos depois de dar entrada na unidade hospitalar.

Lotado no 20º BPM, no Paranoá, o soldado Walisson estava de folga na segunda-feira (16/11). De acordo com informações da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), ele e um amigo encontravam-se na garagem da residência quando dois homens chegaram em um Fox branco e anunciaram o assalto.

Walisson reagiu e levou dois tiros, na altura do peito. Ele ainda atingiu um dos assaltantes, mas os ladrões fugiram do local.

O trio de acusados é formado por uma mulher, que estaria dirigindo o veículo, e dois homens. O grupo foi preso horas depois em Águas Lindas de Goiás, no Entorno do DF. Um deles estava baleado na perna, provavelmente pelo tiro desferido pelo policial. Os suspeitos foram levados para a 19ª Delegacia de Polícia (Setor P Norte) e autuados por latrocínio.

Os suspeitos queriam roubar o carro, equipado com aparelho de som da vítima.

Últimas notícias