Cúpula da Saúde presa na Operação Falso Negativo é transferida para Papuda

Decisão foi tomada após dois policiais civis serem presos suspeitos de favorecer um dos detidos na ação que apura desvio de dinheiro público

atualizado 01/09/2020 5:57

Complexo Penitenciário da PapudaRafaela Felicciano/Metrópoles

Cinco dos seis membros da cúpula da Secretaria de Saúde do Distrito Federal presos na última semana em mais uma fase da Operação Falso Negativo foram transferidos, nesta segunda-feira (31/8), para o Complexo Penitenciário da Papuda. Um dos envolvidos, Eduardo Hage Carmo, subsecretário de Vigilância à Saúde, ganhou habeas corpus e foi solto no fim de semana. A transferência foi uma determinação da Vara de Execuções Penais (VEP) que não esperou o “bonde” de terça-feira (1/9), quando os presos da carcerarem do Departamento de Polícia Especializada (DPE) são levados para o presídio.

O Metrópoles apurou que todos os cinco presos já estão no Centro de Detenção Provisória II (CDP II), uma ala destinada a internos provisórios e que funciona também como entrada e classificação para os demais estabelecimentos do sistema penitenciário. Até então, os alvos da operação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) dividiam uma cela de 10 metros quadrados na carceragem do complexo da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), no Parque da Cidade.

Todos os presos são acusados de participarem de irregularidades em dispensas de licitações direcionadas à aquisição de testes rápidos para o combate à Covid-19. A estimativa é de prejuízo de R$ 18 milhões aos cofres públicos.

Seis integrantes da cúpula da Secretaria de Saúde do DF, incluindo o chefe da pasta, Francisco Araújo, foram presos na última semana. O Governo do Distrito Federal (GDF) afastou dos cargos de chefia os sete alvos da operação. Até o momento, apenas Hage foi solto.

Confira quem continua preso na 2ª fase da Operação Falso Negativo:

  • Francisco Araújo, secretário de Saúde do DF;
  • Ricardo Tavares Mendes, ex-secretário adjunto de Assistência à Saúde;
  • Eduardo Seara Machado Pojo do Rego, secretário adjunto de Gestão em Saúde;
  • Jorge Antônio Chamon Júnior, diretor do Laboratório Central (Lacen);
  • Ramon Santana Lopes Azevedo, assessor especial da Secretaria de Saúde (todos foram afastados).

Apenas o mandado de prisão contra o secretário afastado de Administração Geral, da Secretaria de Saúde do DF, Iohan Andrade Struck, não foi cumprido. O advogado de Iohan, Alexandre Adjafre, disse que o cliente está com suspeita de Covid-19 e apresentou atestado de 10 dias do cliente.

0
Policiais civis presos

Nesta segunda-feira (31/8), dois policiais civis foram presos por, supostamente, favorecer um dos presos da Operação Falso Negativo. Eduardo Seara Machado Pojo do Rego teria recebido a mãe e um amigo. Por meio de nota, a PCDF afirmou que “está apurando o caso administrativa e criminalmente.”

Ambos foram autuados em decorrência de uma inspeção da Corregedoria-Geral da PCDF que estava acompanhada de um promotor do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). A inspeção flagrou a suposta irregularidade. Os policiais assinaram um Termo Circunstanciado (TC) e se comprometeram a comparecer em juízo. Um dos presos da Falso Negativo estaria recebendo visitas de familiares.

Últimas notícias