Tudo o que rola no universo dos famosos e da televisão, sob o olhar atento de Leo Dias e equipe.

Ex-BBBs contam as maravilhas e as consequências da vida pós-reality

A coluna bateu um papo com ex-participantes do Big Brother Brasil para saber os efeitos do programa na vida de cada um

atualizado 22/04/2021 19:11

BBB21 BrindeReprodução

O BBB, sem dúvidas, traz aos participantes os 15 minutos de fama tão esperados pela maioria. Mas não pensem que só de coisas boas vive um ex-brother. Além do dinheiro em presenças VIPs, publicidades digitais e status momentâneo, pelo menos para alguns, o programa pode gerar consequências, como traumas, medos e preconceitos. Até assuntos tão sérios que nas edições anteriores não eram tratados com a devida seriedade e que, hoje, a internet não perdoaria. A coluna bateu um papo com ex-participantes para saber os efeitos do programa na vida de cada um.

Solange, mais conhecida como Sol, participou da edição 4 do Big Brother Brasil. Nos dias de hoje, a narrativa dela dentro do programa seria diferente. Ela fez o público sorrir e cantar com a música We Are The World, de Michael Jackson, com a própria versão chamada de IARNUOU. Mas passou por maus bocados dentro da casa. Foi xingada de neguinha e teve seu cabelo crespo hostilizado por outra participante.

0

“Naquela época, o racismo não era levado tão a sério como hoje. Era uma agressão verbal, mas era normal falar do cabelo e da cor da pele. O pessoal já levava para o lado de piada, porque na cena todos deram risadas e ninguém se importou. Hoje em dia, o assunto é pauta séria e temos a militância. Na hora ri, mas estava triste por dentro e cheguei a pedir para sair, mas e não deixaram. E não tinha ninguém para me abraçar, porque era normal, e você tinha que ser forte e valente. Neste momento atual, ela nem teria dito aquelas palavras”, conta à coluna.

Mesmo situações tão conflituosas como essas, Sol vê como positiva a passagem pela casa. “Não posso reclamar do BBB, porque ele me trouxe muitas coisas boas e muitas felicidades,” completa.

Paulinha Leitte, 34 anos, foi uma das participantes do BBB11 e, em algumas entrevistas, inclusive em um documentário realizado pelo UOL, ela disse ter sofrido bastante com comentários gordofóbicos na época. “O pessoal chamava de brincadeiras, né? Eu não me sentia ofendida, porque era muito bem resolvida comigo e com meu corpo. Mas se olharmos por outros olhos foram várias ofensas gordofóbicas e sem graças. Talvez, hoje, me ofenderiam, mas na época não”, lembrou.

“O BBB mudou completamente a minha vida em questão de tudo. Financeiramente, mentalmente em tudo. Me trouxe várias oportunidades e um enorme amadurecimento pessoal. Então só tenho á agradecer por participar”, completa Paulinha.

Cacau Colucci, de 39 anos e grávida do primeiro filho, integrou o casting do BBB 10, a primeira edição com grande miscigenação de gêneros. “BBB foi uma das melhores coisas que me aconteceu. Trouxe grandes oportunidades. Trabalhei muito e estive em lugares que jamais imaginei. Ganhei visibilidade, admiradores, experiências, amadurecimento e autoconhecimento”, conta.

“Temos muitas cobranças, comparações, críticas e menos tempo com a família e amigos. Só agora estou tranquila e conseguir casar e engravidar”, completa Cacau.

Rejeição
Mesmo passando sua coroa de rejeição histórica de 98,26% para Karol Conká, eliminada com 99,17%, Patricia Leitte ainda é lembrada por sua trajetória de embates com a campeã Gleice Damasceno no BBB 18, “Após a minha eliminação, as pessoas me olhavam diferente. Pessoas que eu achava que eram amigos, eram meros colegas. Fui vendo o que sair do programa bem e mal. Fui julgada por tudo e sofri bastante.Mas foi bom, porque me fez repensar e amadurecer,” contou Patrícia.

Mas não só de azar viveu Patricia,“ Conheci muitos lugares e pessoas maravilhosas que eu era fã, como Wesley Safadão. Ganhei muito dinheiro no começo e ainda me sustento por conta do programa. Virei digital influencer e atriz formada. Eu sou muito grata”.

A atriz Grazi Massafera foi uma das mais queridas da edição 5 e tornou-se uma aposta da Rede Globo. Em entrevista à revista Marie Claire, em 2016, ela revelou que sofreu bullying ao ser convidada para integrar o elenco da novela Páginas da Vida, de Manoel Carlos, no horário nobre. “Encontrei um vodu no meu carro”, contou. Mesmo sofrendo preconceitos e críticas, anos depois Grazi foi indicada ao Emmy Internacional de melhor atriz pela trama Verdades Secretas, de Walcyr Carrasco.

A coluna buscou uma psicóloga para analisar essa fase que os ex- confinados passam. “Muitos saem traumatizados e muitas vezes com a imagem negativa e passiva de julgamentos e rejeição. Isso é muito difícil, pois queremos ser, aceitos, amados, notados e reconhecidos. Ir para um programa de grande visibilidade, e caso um comportamento do participante não supere as expectativas do público, pode ocorrer a exclusão. A própria referência de si mesmo pode se perder e um choque muito grande pode acontecer. Gera um medo de se expor e de ser você mesmo”, diz Aline Saramago.

Últimas notícias