Por Ilca Maria Estevão, Rebeca Ligabue, Sabrina Pessoa, Marcella Freitas, Carina Benedetti e Luiz Maza

Camila Faro aposta em joias personalizadas e minimalistas

A etiqueta brasiliense tem como carro-chefe peças com pedras coloridas. O portfólio engloba desde colares até broches com pingentes

atualizado 10/01/2022 16:46

Camila FaroMaterial cedido ao Metrópoles

Joias para serem usadas todos os dias, em todas as ocasiões. Foi com esse propósito que, de maneira despretensiosa, Camila Faro fundou em 2017 a marca homônima de acessórios. Com foco em peças com linhas delicadas e detalhes repletos de significado, a grife brasiliense conquistou uma rede de clientes fiéis. Para o Moda Brasília deste sábado (8/1), a coluna bateu um papo com a designer, que relembrou o início de sua trajetória e compartilhou a inspiração por trás das peças.

Vem conferir!

Giphy/Camila Faro Ateliê/Divulgação

A ourivesaria surgiu para Camila Faro, inicialmente, como um escape. Há 19 anos atuando com administração de empresas, a mineira radicada em Brasília foi em busca de atividades com uma pegada mais artesanal. O motivo? Com a rotina maçante, queria algo para espairecer. “O trabalho manual exige concentração, aguça a criatividade e acabou se tornando um momento dedicado”, explica.

O pontapé foi um curso realizado com Fernanda Veras. Depois, Camila matriculou-se em aulas regulares com o artista brasiliense Alexandre Sidou, especialista em joias produzidas com metais nobres. De forma complementar, dedicou-se também a disciplinas como moda e design. Diante da completa imersão na atmosfera de criação, a paixão pelo tema foi aumentando com o passar dos dias.

A princípio, as peças foram produzidas unicamente para uso pessoal, mas despertaram a atenção de amigas e pessoas próximas. Assim, as encomendas logo começaram a chegar. “Vi a oportunidade de fazer do hobby um negócio. Abri uma conta no Instagram e postei fotos do processo de produção, das peças e das pessoas usando. De forma caseira, o ateliê foi tomando forma e se tornou esse espaço do qual eu me orgulho muito”, compartilha.

Desde 2017, a assinatura da marca são joias com pedras coloridas. Pensadas para serem usadas no dia a dia, as peças são atemporais e versáteis. No vasto portfólio, o público encontra anéis, pulseiras, brincos, broches, colares e pingentes colecionáveis. Além disso, a etiqueta dedica linha exclusiva para as crianças.

Camila Faro Atelie
Camila Faro fundou a marca homônima em 2017

 

Camila Faro Atelie
A princípio, as peças eram produzidas unicamente para uso pessoal. No entanto, amigos começaram a realizar encomendas

 

Camila Faro Atelie
Mineira radicada em Brasília, Camila sempre gostou de arrematar as produções com acessórios. Em sua etiqueta, ela mescla referências pessoais com o desejo das clientes

 

Camila Faro Atelie
Pedras coloridas e peças personalizadas são características marcantes da grife

 

Confira a entrevista com Camila Faro:

Como e quando surgiu a sua marca?
Camila Faro: É aquela história de começo: na garagem de casa. Montei um espaço pequeno para organizar o material e o maquinário. À medida que fui ganhando novas habilidades, aumentei o número de peças produzidas. Eu sou a minha primeira cliente e uso tudo o que eu faço. As pessoas começaram a perguntar de onde era o meu colar, o meu anel, e, quando eu respondia que tinha feito, recebia uma encomenda. Achava o máximo! Assim que as encomendas iam chegando, eu produzia.

Como você define o estilo da grife criada?
Gosto de pensar que o Camila Faro Ateliê veio para desmistificar que joia é inacessível, feita apenas para ocasiões especiais. Dedico, sim, uma parte do meu acervo para essas ocasiões. Fico muito feliz em ver meus produtos em casamentos e noivados, por exemplo. Mas a maioria das minhas peças são pensadas para o dia a dia. São atemporais e fáceis de serem usadas com outras peças.

O que te inspira na concepção das peças?
São tantas coisas! Do artesanato de feiras às joias da rainha dos filmes que eu vejo, estou sempre buscando maneiras de incorporar uma peça ao meu acervo. A flor no cabelo deu espaço para a coleção de flores vitrificadas e cravejadas com pedras, muito usadas por noivas; de uma brincadeira de carnaval, surgiu a coleção abacaxi; de uma viagem, o colar alegria.

Como são pensadas as peças do portfólio?
Quanto mais eu estudo, mais ganho referências; quanto mais referências, mais criativa eu fico. Tem peças que vêm dessa imersão e eu traduzo a ideia para a produção. Não faço nada que eu não usaria. E também peças sob encomenda, em que a ideia principal vem do desejo do cliente. A gente vai misturando a inspiração da pessoa com as minhas referências até chegarmos juntas no produto final. Essa troca criativa é muito enriquecedora.

Quais são os seus planos para 2022? Alguma colaboração em vista?
Falta tempo para colocar em prática tudo que venho sonhando e tenho planejado. Depois de um ano tão cinza, tão difícil para todos, quero cores e formas. Pedras, pedras e mais pedras coloridas! Estou trabalhando para lançar uma collab com uma marca de Brasília que eu amo. Assim que tudo estiver certo, lançaremos on-line. Estou muito animada!

Camila Faro Atelie
As peças são atemporais e versáteis

 

Camila Faro Atelie
As joias foram pensadas para serem usadas no dia a dia

 

Camila Faro Atelie
No vasto portfólio, o público encontra anéis, pulseiras, brincos, broches, colares e pingentes colecionáveis

 

Camila Faro Atelie
A etiqueta dedica linha exclusiva para as crianças. Além disso, a label conta também com peças que trazem os nomes dos filhos, voltadas para as mães

 

Moda Brasília

A coluna Ilca Maria Estevão deu início à série Moda Brasília em 2021. Toda semana, apresentamos marcas, designers e etiquetas locais, a fim de dar ênfase à moda criada no Distrito Federal e no Centro-Oeste.

O objetivo é apresentar iniciativas e empresas que atuam em prol da cadeia produtiva regional de maneira criativa, sustentável e inovadora. Os nomes são selecionados de forma independente pela equipe da coluna, a partir de critérios como diferencial de mercado, pioneirismo e ações que valorizem a comunidade.


Colaborou Marcella Freitas

Mais lidas
Últimas notícias