Notícias, furos e bastidores de política e economia. Com Gustavo Zucchi

Novo chanceler quer Filipe Martins fora do Planalto

Com perfil moderado, Carlos França tem divergências com o assessor para Assuntos Internacionais da Presidência desde que assumiu o Itamaraty

atualizado 30/05/2021 19:13

Igo Estrela/Metrópoles

No cargo desde o início de abril de 2021, o novo chanceler brasileiro, Carlos França, passou a trabalhar nos bastidores para convencer o presidente Jair Bolsonaro a tirar o olavista Filipe Martins da assessoria para Assuntos Internacionais da Presidência.

Segundo fontes do Itamaraty e do Palácio do Planalto ouvidas pela coluna, o ministro das Relações Exteriores tem atuado para que Bolsonaro nomeie Martins para outro cargo no exterior ou na Apex, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos.

Com perfil mais moderado, França tem mostrado divergências com o assessor olavista em relação à política externa brasileira desde que assumiu o cargo. Por isso, o chanceler quer evitar que Martins siga influenciando Bolsonaro em assuntos internacionais.

Fontes dizem que o chanceler e o assessor hoje praticamente não se falam. Com o clima ruim, Martins não acompanhou Bolsonaro ao Equador, na semana passada. Foi a primeira vez que o assessor ficou fora de uma viagem internacional do presidente. França viajou com o chefe.

Outros ministros do governo ouvidos pela coluna admitem a pressão do chanceler, de senadores e de militares pela saída de Martins do Planalto. Mas ponderam que o presidente da República ainda resiste a demitir o olavista da Assessoria para Assuntos Internacionais.

Bolsonaro tem sido pressionado a demitir Martins desde março, quando o assessor foi acusado por senadores de fazer um suposto gesto supremacista durante uma sessão do Senado. A Polícia Legislativa, inclusive, já indiciou o olavista pela atitude.

Lideranças governistas ressaltam, porém, que Martins se sustenta no posto pois tem apoio dos filhos de Bolsonaro e porque vem ajudando a pensar a estratégia de defesa do governo na CPI da Covid no Senado, onde o assessor será ouvido em 22 de junho.

Procurados pela coluna, Martins e França não responderam. O Planalto também não se pronunciou.

Mais lidas
Últimas notícias